Artigos E Cases

13/04/2018

Feira Mecânica evoluiu para atender a indústria 4.0



Igor Tavares (*)

Há 60 anos sendo um dos principais polos geradores de negócios da planta industrial brasileira, a feira Mecânica mudou mais uma vez para atender as necessidades atuais do setor e agora se chama Mecânica Manufacturing Experience. O evento deve movimentar mais de R$ 325 milhões este ano dando enfoque total à indústria 4.0 com programação que remete a diversas abordagens de temas como automação, inovação, educação, gestão, profissionais do futuro e evolução do segmento de mecânica e sistemas integrados de manufatura avançada.

Exposições, demonstrações de robótica, sessões de Design Thinking, palestras, congressos, estudos de caso e rodadas de negócios são algumas das atividades previstas que promoverão junto aos profissionais visitantes a tecnologia, conectividade e eletrônica por trás dos equipamentos que irão formar a indústria 4.0 no Brasil. Estas mudanças abordam um novo ambiente produtivo, pois é cada vez mais intensa a digitalização e a integração dos processos na cadeia produtiva.

As empresas estão em busca de eficiência, a começar pela concepção do projeto, e toda a expertise contida nele, até a máquina pronta, que precisa ser capaz de integrar uma linha de produção cada vez mais informatizada e autônoma. As principais tecnologias por trás desses novos processos incluem os gigantescos arquivos digitais de dados - big data -, a computação em nuvem, a robótica avançada, os novos materiais e as novas tecnologias de manufatura. O objetivo final é tornar o processo de produção mais eficiente, flexível e interativo.

A evolução da Mecânica até se transformar na Mecânica Manufacturing Experience envolveu um longo caminho com ciclos que acompanharam as tecnologias de cada década. No início, nos anos de 1960, o enfoque era demonstrar as novidades do setor de máquinas no Brasil. Mas a partir do final dos anos de 1990, o evento começou uma nova fase devido à disseminação da Internet nos processos industriais que, eventualmente, trouxe a proposta para o modelo atual de indústria 4.0.

Ou seja, no passado, a indústria se preocupava com os atributos das máquinas. Hoje, a maior preocupação é com o processo de manufatura integrada, como a gestão de matérias-primas, a produção com eficiência energética e a otimização da distribuição. A edição deste ano terá a maior diversidade de ações da história do evento, o que permitirá criar um ambiente de negócios com enfoque nas experiências dos visitantes e não somente uma área para exposição.

Alguns exemplos destas ações incluem o Encontro de Líderes, com participação de grandes economistas e executivos de renome no país que abordarão diversos aspectos da tecnologia, inovação e gestão de pessoas; Arenas do Conhecimento, que consiste em mais de 90 apresentações e palestras nos setores de manufatura, automação industrial, componentes industriais, energia, transporte e logística.

E também a Arena da Robótica, espaço interativo no qual será demonstrada a aplicação de robôs na indústria; e a Universidade do Futuro, parceria com a FIAP para um espaço voltado à formação do profissional da indústria 4.0 e onde será realizada a 1a Rodada de Design Thinking para a Indústria, iniciativa de quatro dias na qual executivos visitantes poderão levar seus principais desafios para um time de experts buscar soluções por meio da aplicação da metodologia de Design Thinking.

A Mecânica Manufacturing Experience tem o objetivo de mudar o conceito de feiras no Brasil ao fomentar soluções e inovações de forma colaborativa e construtiva para os executivos da indústria nacional. A mudança para o Expo Center Norte, espaço de negócios mais moderno do país, e a ampliação de parceiros, entre associações e expositores que nunca antes participaram de eventos relacionados à exposição somente de máquinas, confirmam que estas ações foram assertivas e beneficiarão a todos os envolvidos.

É preciso reconhecer que o Brasil passou recentemente por uma crise econômica da qual ainda está se recuperando, mas devido ao evento atuar com marcas líderes em seus respectivos setores, a influência de uma crise macro econômica foi menor. Feiras com marcas menos estabelecidas sofreram mais e, de qualquer forma, empresas que estão reagindo à crise buscam a Mecânica Manufacturing Experience para fechar mais negócios.

O foco, neste momento, é criar as mais diversas plataformas, além da exposição, para que os clientes possam estar frente a frente com potenciais compradores. Uma das iniciativas promovidas neste sentindo é o formato de rodadas de negócios, que têm sido extremamente efetivas e com resultados tangíveis. Mesmo diante de todas as dificuldades, vale a pena investir em feiras se estas se propuserem a atender as reais necessidades do expositor em um dado cenário econômico.

E apesar de toda transformação digital que estamos vivenciando, o contato pessoal é a forma mais efetiva de criar relacionamentos e as feiras são a melhor plataforma para realizar negócios, demonstrar produtos, gerar conhecimento, disseminar ideias e concretizar parcerias. O principal diferencial, no caso da Mecânica Manufacturing Experience, é sempre oferecer soluções integradas para manufatura e é neste sentido que ajuda os tomadores de decisão do setor a encontrar tendências e soluções realmente otimizadas.

Entre outros atributos e diferenciais do evento, consta a ferramenta de captura de leads digital, que com apenas um clique permite guardar os dados dos visitantes, acompanhar o estágio da negociação, controlar a equipe comercial e ter um relatório imediato de tudo o que aconteceu na feira. Os estudos internos preveem uma alta movimentação de negócios este ano a partir da base de pré-credenciados que dispõem de capital para investir. A feira está evoluindo com o tempo e no caminho certo.
____________________________________________________
(*) O autor é diretor de Eventos da Reed Exhibitions Alcantara Machado, promotora da Mecânica Manufacturing Experience.

Comente essa notícia