Notícias

Eletrônica e Informática

14/06/2017 - IPESI INFORMA

Número de aplicativos para o setor de pets multiplica no Brasil




O Brasil, definitivamente, é um lugar que gosta de bichos de estimação. Calcula-se que o país tenha hoje algo em torno de 132,4 milhões de pets, dos quais mais de 52 milhões são cães, outros 22 milhões são gatos e 38 milhões são passarinhos e assemelhados. Os peixes também marcam presença: há mais de 20 milhões deles nos aquários brasileiros. E olhe que nesse número não estão computados as tartarugas, coelhos e iguanas, que alguns fazem questão de manter em seus quintais ou mesmo dentro de casa.

Trata-se de um mercado estupendo - acredita-se que já seja o terceiro maior do planeta, abaixo apenas dos mercados norte-americano e europeu - e que, naturalmente, vem despertando cada vez mais o apetite de fabricantes de rações e medicamentos e da miríade de apetrechos e quinquilharias voltados para o conforto dos bichinhos. A variedade de marcas, modelos e preços disponíveis nos pet shops chega a dar vertigem: as rações, por exemplo, podem variar entre R$ 9 e R$ 250, dependendo da marca, qualidade e tamanho da embalagem. Já há até sites de comparação de preços com seções dedicadas exclusivamente aos produtos pet.

Nem a crise está afetando a pujança deste mercado. Em 2015, o faturamento do setor pet atingiu R$ 18 bilhões e em 2016 chegou a R$ 19,2 bilhões, somando os segmentos de pet food (67,5% desse faturamento), pet serv (serviços como banho e tosa e outras atividades, 16,3%), pet care (equipamentos, acessórios, produtos de higiene e beleza animal, 8,1%) e pet vet (medicamentos veterinários, 8,1%). A projeção para 2017 é de um crescimento de 6,6%. Trata-se, na verdade, de um fenômeno mundial. Em 2016, o faturamento global do setor foi próximo dos US$ 110 bilhões, um crescimento de 1,5% sobre o ano anterior.

APLICATIVOS - Essa alta tem estimulado a abertura de um número cada vez maior de lojas, clínicas, empresas para a capacitação de profissionais e até de novos cursos para a formação de veterinários. E atraído também o pessoal desenvolvedor de aplicativos - outro mercado que vem bombando no país. Segundo pesquisa da Cheetah Mobile, os brasileiros são os que mais consomem aplicativos para smartphone, cada um utilizando cerca de 30 apps por mês. Sim: é óbvio: porque então não juntar as duas coisas, e desenvolver aplicativos que podem tornar mais simples a vida de quem está sempre em busca dos melhores serviços para seu pet?

A oferta desses aplicativos, assim, também vem crescendo a cada dia, ajudando aqueles que querem acessar produtos e serviços diretamente do celular, sem precisar sair de casa ou do local de trabalho. A Pet Anjo, por exemplo, oferece um app para iOS e Android especializado em serviços pet, como dog walker, pet sitter, hospedagem familiar, day care e banho e tosa em domicílio, com direito a seguro veterinário e suporte 24 horas durante os 7 dias na semana.

Já a AuFood foi desenvolvida para facilitar a vida dos donos e manter o pet consumindo sempre a melhor ração para o seu porte e necessidades nutritivas. Basta cadastrar o pet e receber a indicação da ração ideal para ele. Através do plano de assinatura, a refeição do bichinho será entregue todos os meses, garantindo assim praticidade e evitando imprevistos.
 
A Vet Smart é um aplicativo que permite consultar a dosagem do remédio prescrito ao pet de acordo com a posologia e idade, leitura de bulas, informações sobre doenças, e outros detalhes após a consulta com o veterinário. O Au.dote, por sua vez, mapeia ONGs que disponham de animais para adoção. Este aplicativo é indicado para quem quer entrar no universo pet e ainda não tem um animal para chamar de seu. (Alberto Mawakdiye)

Comente essa notícia