Notícias

Metal Mecânica

05/09/2018 - IPESI INFORMA

Poli-USP digitaliza acervo histórico

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) tem um rico acervo e sua participação na história do Brasil vai além do universo acadêmico. Por exemplo, quando a Revolução Constitucionalista de 1932 ganhou força era na Poli que as tropas da capital e do interior de São Paulo se abasteciam com munição e granadas de mão ali construídas. Na escola foi também desenvolvido um modelo de lança-chamas. E alunos chegaram até a fazer parte do movimento. Dez anos antes, "camizolões de panno azul" (aventais) para os guardas e serventes da instituição eram encomendados na Penitenciária do Estado. E, em 1897, a Escola agradecia ao "cidadão Dr. José Ayrosa Galvão, engenheiro chefe da Estrada Paulista", pela amostra de meteorito que havia oferecido ao Gabinete de Mineralogia e Geologia.

Essas passagens curiosas são uma pequena amostra do material que abriga o Acervo Histórico da Poli-USP. A boa notícia é que boa parte do acervo histórico da instituição foi digitalizada. Cerca de 90 mil documentos emitidos entre 1893 (data de fundação da Escola Politécnica) e 1934 (ano em que a instituição foi incorporada à USP) foram digitalizados na primeira fase do Projeto de Digitalização do Arquivo Histórico da Poli, fruto de parceria da Poli com a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE). O investimento para concretizar a etapa inicial foi de R$ 1,5 milhão, com captação por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet). Os patrocinadores foram Ultra, Comgas, Itaú, Scopus, Racional e AWS.

Além de relatar a rotina administrativa, financeira e acadêmica da Escola Politécnica, os livros e documentos avulsos, muitos manuscritos à pena, possibilitam conhecer a história e o cotidiano de toda uma época.

No Projeto de Digitalização do Arquivo Histórico da Poli, os documentos foram cadastrados segundo as regras do Arquivo Geral da USP (Agusp) e da Norma Brasileira de Descrição Arquivística (Nobrade). Depois de higienizado, o material desses primeiros 40 anos foi armazenado e catalogado em novos suportes de polionda (caixas plásticas), e estão acomodados no prédio do Biênio, na Cidade Universitária.

Os documentos haviam sido organizados pela última vez há cerca de 20 anos em um projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Atualmente, para ter acesso a eles e poder manuseá-los, o pesquisador deve elaborar um pedido de autorização à diretoria, explicando os motivos da pesquisa.

Com a digitalização dos arquivos, todo o processo será encurtado. Digitando palavras-chave, será possível acessar os documentos avulsos e encadernados, como atas de reuniões da Congregação, recibos de compras feitas por laboratórios e departamentos, fotografias de alunos e instalações, projetos e plantas arquitetônicas desenvolvidas por professores, entre outros materiais administrativos e financeiros.

Para garantir a facilidade na busca, foi escolhida a plataforma ICA-AtoM, que também é utilizada por outras universidades e instituições ao redor do mundo. Todos os arquivos foram reproduzidos em alta resolução e podem ser baixados em PDF. Alguns, especialmente os documentos pessoais, ainda vão depender de autorização para serem consultados.

Site: http://www.arquivohistorico.poli.usp.br

Comente essa notícia