Notícias

Eletrônica e Informática

07/12/2018 - IPESI INFORMA

Consumo de gás natural cresce no Brasil

O consumo de gás natural no mês de setembro é o maior registrado no País em um período de três anos e três meses. Somando todos os segmentos, o Brasil fez uso de 79,2 milhões metros cúbicos/dia no nono deste ano - patamar mais alto desde junho de 2015, quando o consumo mês havia sido de 79,3 milhões de metros cúbicos/dia. O crescimento em setembro ante o resultado de agosto é de 9,8% (72,2 milhões de metros cúbicos/dia). Já no acumulado do ano, a alta é de 4,4%, frente à média dos nove meses iniciais de 2017.

No acumulado do ano, todos os segmentos tiveram crescimento em relação aos números do mesmo período em 2017. O grande destaque é a escalada de consumo do Gás Natural Veicular, com 12%, saindo de 5,3 milhões de metros cúbicos/dia para 5,9 milhões de metros cúbicos/dia. O uso do gás natural na cogeração deu um salto de 10% - de 2,5 milhões de metros cúbicos/dia para 2,8 milhões de metros cúbicos/dia. Outro destaque é a indústria: avanço de 4,8% - de 27 milhões de metros cúbicos/dia para 28,3 milhões de metros cúbicos/dia.

As informações fazem parte do levantamento estatístico da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado (Abegás), feito com concessionárias em 20 estados, reunindo dados em diversos segmentos: residencial, comercial e automotivo, entre outros.

"Nosso levantamento acaba sendo um indicador do quadro da economia brasileira. Por isso, é bastante significativo o fato de que o consumo total tenha alcançado seu maior patamar em 39 meses, depois de um período prolongado de recessão", comenta o presidente executivo da Abegás, Augusto Salomon.

"A cadeia do gás natural pode ser um motor para mover o crescimento no País de forma sustentável nos próximos anos. Com o gradual crescimento da produção do pré-sal, em meio aos desinvestimentos da Petrobras, o país tem um grande desafio: possibilitar o acesso à infraestrutura já existente, aumentando concorrência na oferta desse gás; e, ao mesmo tempo, criar condições para aproveitar essa riqueza que ainda vem sendo reinjetada nos poços em grande escala, incentivando a ampliação da infraestrutura essencial no País, o que permitirá escoar o gás e levá-lo de forma mais competitiva para o mercado consumidor. Por isso, defendemos o Brasduto", destaca o presidente executivo da Abegás.

"Acreditamos que, a exemplo do que vem ocorrendo no mundo inteiro, o gás natural - por reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa (GEE) e de outros poluentes - é a melhor fonte energética de transição para uma economia que no futuro tende a ser dominada pelas chamadas novas energias renováveis, o que, nas estimativas mais otimistas, deve levar de 20 a 30 anos para acontecer no Brasil. Por isso, apresentamos ao governo eleito um documento de 52 páginas com propostas para que o Brasil também possa ampliar a demanda de gás natural, inclusive substituindo gradualmente a frota pesada movida a diesel por veículos a GNV", completa Salomon.

TÉRMICAS - O aumento do despacho de gás natural para as termelétricas foi o destaque do levantamento em setembro. A alta foi de 24,6% ante agosto. No acumulado do ano, o segmento cresceu 7%.

"Uma das propostas que apresentamos ao governo eleito é alterar o planejamento energético prevendo a inserção das térmicas a gás natural na base do sistema elétrico para preservar e recuperar os reservatórios hídricos. Em vez de apenas usar o gás no horário de ponta ou em situações de risco hidrológico, o País ganha com a redução do custo de geração, aumento da segurança energética e também com o aperfeiçoamento do planejamento de todo o sistema elétrico", afirma o presidente executivo da Abegás, Augusto Salomon.

OUTROS SEGMENTOS - Na indústria, o segmento apresentou crescimento de 4,8% no acumulado do ano e de 6,5% em relação ao mês do ano anterior. A cogeração acompanha a evolução da indústria e acumula alta de 10% em 2018. Em relação a agosto, o crescimento foi de 3,6%.

No setor automotivo, a competitividade do GNV frente aos combustíveis líquidos tem garantido o crescimento do uso do combustível, com alta de 13,5% na comparação com setembro de 2017 e de 12% no acumulado de 2018.

Nas residências, o consumo tem registrado crescimento expressivo em 2018, com um aumento de 7,2% no acumulado e 12,3% ante o mês anterior. O resultado reflete a expansão das redes de distribuição de gás natural que hoje atende a mais de 3,4 milhões de famílias.

O segmento comercial já acumula alta de 8,5% no ano e na comparação com o mês anterior o aumento foi de 9,6%.

Destaques nas regiões em setembro/2018 frente a agosto/2018

 Centro-Oeste - Expansão no consumo residencial (76,6%)

 Nordeste - Crescimento no consumo de GNV (16,8%)

 Norte - Alta na geração elétrica (67,2%)

 Sudeste - Aumento no consumo residencial (11,4%)

 Sul - Crescimento no consumo residencial (32,5%)

Comente essa notícia