Metal Mecânica

Romi intensificará investimentos na produção de fundidos estruturais para geração eólica

Para suportar o crescente mercado de energia eólica no país, a Romi vai intensificar seus investimentos na fabricação de fundidos estruturais de grande porte, para atender à crescente demanda nacional – cujo aumento foi de 19% em 2017.

Os fundidos estruturais fabricados pela empresa estão presentes em quase 100% dos 520 parques eólicos no país. Hoje 7,4% de toda a energia do país é produzida usando-se a força do vento. Com uma capacidade instalada de cerca de 13.000 megawatts, o Brasil ocupa o 8° lugar no mundo em energia eólica instalada e o número um na America do Sul.

“Desenvolvemos uma alta capacidade técnica de produção desses itens estruturais de segurança – aprimoramos a utilização de ferramentas de simulação de fundição, além dos nossos investimentos no desenvolvimento da nossa equipe técnica e em nosso parque fabril – que é um dos mais atualizados da América Latina”, explica Francisco Vita, diretor da Unidade de Fundidos e Usinados da Romi.

No Brasil, a introdução de novas tecnologias em turbinas tem proporcionado a produção de aerogeradores onshore cada vez mais potentes. O resultado é que os fundidos estruturais necessários são cada vez maiores e mais pesados, podendo chegar a até 25t. “Preparamos a fábrica de maneira que podemos produzir, de maneira seriada, peças de até 40 toneladas para servir esta nova geração de aerogeradores, maiores e mais potentes”, afirma Vita.

A fábrica da Romi para atender a demanda do mercado de energia eólica foi inaugurada em 2009. De lá pra cá, a empresa já entregou mais de 47 mil toneladas de ferro fundido nodular em cubos de rotor e bases de nacelles para os principais fabricantes de aerogeradores tanto para o Brasil, como para o exterior.

Já existem projetos de energia eólica em aprovação nos órgãos regulatórios brasileiros, mas o potencial é enorme: a costa brasileira tem mais de 7 mil km de extensão. Para esses projetos, a demanda por equipamentos será ainda mais massiva, já que as turbinas offshore podem chegar a 12.000 watts de potência. “Nossa estrutura já está preparada para atender a esta demanda”, lembra Vita.

Fonte: Ipesi

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *