Metal Mecânica

Ambiente de negócios na China melhora, no Brasil e na Índia crise continua

A Associação da Indústria de Engenharia Mecânica da Alemanha, a VDMA, divulgou recentemente os resultados de uma pesquisa com seus associados no Brasil, China e Índia sobre como a pandemia do coronavírus afeta seus negócios. Segundo a pesquisa, a China dá sinais positivos novamente, enquanto no Brasil e na Índia a crise permanece.

 

“A economia chinesa está melhorando, embora a situação não esteja totalmente amenizada”, afirma o economista chefe da VDMA, dr. Ralph Wiechers. Segundo a pesquisa, um quarto das companhias ainda a avalia a situação na China como pobre. “Porém, há novidades positivas: 62% das empresas pesquisadas qualificam a sua situação nos negócios como satisfatória, e os restantes 13% avaliam a situação como boa”, acrescenta Wiechers.

 

A atual carteira de pedidos na China é de cerca de 60% em média ou acima. Porém, o clima é consideravelmente diferente nas filiais das indústrias, conforme o ramo de atuação: os fabricantes de máquinas para construção ou de componentes de máquinas para construção e de automação elétrica reportam situação de negócios muito melhor que, por exemplo, fabricantes de máquinas-ferramenta ou máquinas para plástico e borracha.

 

“Uma razão para isso é possivelmente a forte dinâmica de investimento na infraestrutura clássica e digital na China”, explica o economista chefe da VDMA.

 

O ponto fraco na retomada da China é a demanda externa. A maioria dos entrevistados reporta pedidos abaixo da média nas encomendas do exterior e também queda nos pedidos do exterior nos próximos três meses.

 

As empresas de engenharia mecânica ou fabricantes de máquinas cujos clientes atendem principalmente o mercado chinês estão assim em situação aparentemente melhor que as companhias orientadas à exportação no futuro previsível. Segundo estimativas da VDMA, a cota de exportações da engenharia mecânica na China hoje é de quase 20% das receitas.

 

A pandemia do coronavírus atinge a América Latina. O Brasil é o mais importante mercado e o país em que as indústrias de engenharia mecânica alemãs mais mantêm fábricas na América do Sul. Mais da metade dos membros da VDMA que participaram da pesquisa avalia a situação como pobre.

 

“O lado da demanda em particular está causando dificuldades para as companhias. Mais de 40% das companhias reportam que a perda de pedidos e os cancelamentos têm forte impacto nos negócios”, diz Wiechers. Mas não é tudo: quase dois terços das companhias esperam que a situação nos negócios irá se deteriorar nos próximos seis meses.

 

Na Índia, a pesquisa da VDMA indica que a situação dos negócios é bem pior que China: 80% avaliam que a situação atual como ruim e 45% afirmam que a situação vai ficar pior nos próximos seis meses. Na Índia, diferente da China, muitos empreendedores estão principalmente preocupados com a demanda doméstica. Além da interrupção da demanda, muitas companhias reportam restrições para viagens e interrupção da rede de transportes entre os estados indianos.

 

“No ano passado, a produção no setor de engenharia mecânica na Índia já havia encolhido. Muitas companhias esperavam por um ano de 2020 significativamente melhor, mas a pandemia do coronavírus destruiu aqueles sonhos”, afirma Wiechers

 

A cada seis meses a VDMA faz a pesquisa com seus membros sobre a situação dos negócios nos países que fazem parte do BRIC. A primeira pesquisa foi realizada em 2016.  A mais recente pesquisa foi realizada entre 27 de abril e 15 de maio.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados