Metal Mecânica

Centro Universitário Facens e parceiros vão desenvolver projeto pioneiro de mobilidade conectada

O IP Facens – Instituto de Pesquisa do Centro Universitário Facens, em parceria com a TIM Brasil, Stellantis, as universidades USP-São Carlos, UFSCAR e a alemã Technische Hochschule Ingolstadt (THI), anunciaram o projeto Conecta 2030: Ecossistema conectado e cooperativo para detecção de pedestres em travessias, voltado para a criação de um ambiente colaborativo, com foco em iniciativas para a segurança de pedestres e ciclistas. O anúncio da aprovação foi feito no final de abril pela Fundep, uma das coordenadoras do programa Rota 2030. A partir de agora, as empresas envolvidas no Conecta 2030 têm pela frente o desafio de desenvolver um ecossistema-conceito para o desenvolvimento e implementação de soluções ADAS (Sistemas Avançados de Assistência ao Condutor), a partir de três pilares principais: conectividade, inteligência artificial e gêmeos digitais.

De acordo com Roberto Netto, coordenador de tecnologia do IP Facens, o objetivo é desenvolver um ambiente de gêmeo digital de uma parte do 5G Smart Campus Facens, e assim, testar um recurso de detecção de usuários vulneráveis em vias públicas. “Essa aplicação será composta pela detecção de pessoas atravessando uma faixa viva. Será possível, também, verificar se o indivíduo está em situação de perigo, para que seja enviado um alerta tanto para os veículos envolvidos nesse cenário como para o pedestre”, explica. Segundo ele, “isso somente é possível de ser atingível por meio de uma conectividade que integra veículos e pedestres, criando um ambiente no conceito de Cidades Inteligentes”.

Para Átila Xavier, diretor de Arquitetura, Inovação e Tecnologia da TIM Brasil, a participação da operadora reforça o compromisso em criar soluções inovadoras para o mercado automotivo, contribuindo para a sociedade e melhorando a vida das pessoas. “A Facens é reconhecida por sua excelente trajetória acadêmica; a THI é referência na Europa para projetos de conectividade veicular; as Universidades de São Paulo e UFSCAR são instituições respeitadas por sua expertise em tecnologias avançadas; e com a Stellantis já temos uma parceria sólida e bem-sucedida para desenvolvimento e aplicação de tecnologias para o setor automotivo”, conta.

Helder Oliveira, supervisor de Conectividade da Stellantis, afirma que a empresa tem como propósito liderar a forma como o mundo se move e nesta trajetória se apoia em quatro valores: ser centrada no cliente, ser ágil e inovadora, vencer juntos e cuidar do futuro. Segundo ele, “a participação neste projeto de mobilidade conectada para a criação de um ecossistema cooperativo em segurança está alinhada ao propósito da empresa e ressalta esses valores. Quando olhamos para os pedestres e trabalhamos em parceria sendo inovadores, estamos buscando evolução tecnológica para um futuro mais seguro e sustentável no uso de veículos”.

Para Technische Hochschule Ingolstadt (THI), o financiamento do Rota 2030 é mais uma vez uma excelente oportunidade para avançar em projetos de pesquisa aplicada na área de mobilidade com notáveis parceiros universitários e industriais do Brasil. No âmbito do projeto, dois alunos de mestrado irão passar dois semestres como estudantes de intercâmbio no THI, pesquisando algoritmos para direção automatizada e inteligência artificial. Para esse fim, eles conduzirão pesquisas relacionadas ao projeto no Carissma Institute of Automated Driving (C-IAD) e no Núcleo de Mobilidade e Inteligência Artificial AImotion na Bavária. A expertise e as ferramentas desenvolvidas pelo Carissma Institute of Electric, Connected and Secure Mobility (C-Ecos) para conectividade automotiva serão integradas ao Conecta 2030, possibilitando uma forte sinergia entre os parceiros brasileiros e alemão”.

Para a Profa. Dra. Luciana Zaina, docente e pesquisadora em Experiência do Usuário na UFSCar e coordenadora associada do projeto aprovado, “o projeto envolve esforços de pesquisa em diferentes áreas, como inteligência artificial, conectividade, simulação e experiência do usuário para o setor automotivo. Poder desenvolver soluções que integram essas áreas é bastante desafiador e ter parceiros acadêmicos como Facens, a USP-São Carlos e a THI, além de empresas comprometidas com pesquisa como a Stellantis e a TIM, nos deixa bastante confiantes sobre os resultados que podem ser alcançados pelo projeto. Nós do grupo de pesquisa em experiência do usuário da UFSCar estamos motivados e certos de que as contribuições terão também impacto direto na sociedade”, diz.

Para o Prof. André Carlos Ponce de Leon Ferreira de Carvalho, pesquisador da área de Inteligência Artificial, professor e diretor do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação no Campus de São Carlos da Universidade de São Paulo, e coordenador associado do projeto, essa ação “trará importantes contribuições, não apenas para o setor automotivo e para a pesquisa científica, tecnológica e de inovação nas instituições acadêmicas, mas para a segurança e qualidade de vida da população”. Segundo ele, “a colaboração com as entidades parceiras, Facens, THI e UFSCar, e com as empresas Stellantis e TIM vai trazer importantes avanços científicos, econômicos e sociais em mobilidade”.

O programa Rota 2030 é parte de uma estratégia elaborada pelo Governo Federal para desenvolvimento do setor automotivo no país. Além de trabalhar políticas de incentivo à indústria, possui como pressupostos princípios de sustentabilidade ambiental e cidadania. O projeto Conecta 2030 atende à demanda do programa prioritário sobre Conectividade Veicular, estabelecido pelo Fundep, especialmente para a linha de conectividade dos veículos com o ambiente externo e a possibilidade de proporcionar mais segurança no trânsito.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo