Eletrônica e Informática

Coronavírus causa impactos negativos a 62% das empresas brasileiras

Entre 2,8 milhões de empresas em funcionamento na segunda quinzena de junho, 62,4% perceberam impactos negativos decorrentes da crise do novo coronavírus em suas atividades. O impacto é maior em empresas de pequeno porte, com até 49 funcionários – o maior contingente da amostra – em que 62,7% perceberam efeitos negativos; ante 46,3% das de porte intermediário, com até 499 funcionários, e 50,5% entre as de grande porte, com 500 funcionários ou mais. Esses são os dados da pesquisa Pulso Empresa, divulgados ontem (30 de julho) pelo IBGE.

 

A pandemia afetou 65,5% de 1,2 milhão de empresas de serviços, especialmente aqueles prestados às famílias (86,7%); e também 64,1% de 1,1 milhão de empresas do comércio em geral, com maior percepção de reflexos negativos no segmento de veículos, peças e motocicletas (74,9%). Na indústria, o impacto negativo foi percebido por 48,7% das 306 mil empresas; e, na construção, por 53,6% das 153 mil empresas do setor.

 

“Os serviços prestados às famílias incluem bares, restaurantes e hotéis, atividades que dependem de circulação de pessoas, turismo e viagens. Era de se esperar que essas atividades fossem mais impactadas. Já o segmento de veículos, peças e motocicletas também foi afetado pelo funcionamento parcial dos Detrans e das concessionárias, além da decisão de compra de um bem durável, que tem de ser bem pensada pelas famílias num momento de desemprego e de incertezas”, explica Flávio Magheli, coordenador de Pesquisas Conjunturais em Empresas do IBGE.

 

Entre as grandes regiões, o Nordeste é onde as empresas foram mais atingidas pela crise do novo coronavírus (72,1%), seguido por Sudeste (65%) e Centro-Oeste (62,9%).

 

REDUÇÃO NAS VENDAS – Para metade das empresas em atividade (50,7%), houve redução nas vendas, notadamente entre as de pequeno porte. Mas o impacto foi pequeno ou inexistente para 27,6% das empresas, percentual que chega a 41,2% das companhias de grande porte, as menos afetadas. E, para 21,4% das empresas, houve aumento de vendas na segunda quinzena de junho.

 

Os setores de comércio e de serviços foram os que reportaram maior queda nas vendas, especialmente o comércio de veículos, peças e motocicletas e o de serviços prestados às famílias, ambos com 62,2%.

 

 

 

FABRICAÇÃO  – A maior parte das empresas (46,3%) relatou não ter havido impacto da Covid-19 sobre a fabricação dos produtos ou a capacidade de atendimento aos clientes. Este percentual chega a 51% entre as empresas de porte intermediário e a 55,2% entre as de grande porte. Mas 43,1% do total de empresas ainda relataram impacto negativo.

 

Também é maior o percentual de empresas (50,9%) que reportaram não ter havido alteração em relação ao acesso aos fornecedores de insumos, matérias-primas ou mercadorias; enquanto 40,9% relataram dificuldade de acesso. A maior dificuldade dá-se entre as empresas do segmento de comércio (51,4%).

 

A capacidade de realizar pagamentos de rotina durante a segunda quinzena de junho ainda é uma dificuldade relatada por 53,1% das pequenas empresas; mas 50% das de porte intermediário e 64,3% das de grande porte informaram não terem enfrentado essa dificuldade.

 

Quase oito em cada dez empresas (78,6%) reportaram não ter havido mudança no quadro de funcionários ao final da segunda quinzena de junho, em relação à quinzena anterior. Apenas 15% (411 mil empresas) informaram ter reduzido o número de funcionários. Desse total, a maior proporção de redução (61,8% ou 254 mil empresas) foi observada na faixa inferior a 25%.

 

Entre as medidas de reação adotadas para enfrentar a pandemia, a maior parte das empresas (86,1%) realizou campanhas de informação e prevenção e adotou medidas extras de higiene; 42,5% adotaram trabalho remoto para os funcionários; 28% anteciparam férias dos funcionários; 43,9% adiaram o pagamento de impostos; e 33,5% alteraram o método de entrega de produtos ou serviços, incluindo a mudança para serviços online.

 

PESQUISA PULSO EMPRESA – Os resultados da segunda rodada da Pesquisa Pulso Empresa refletem as percepções das empresas em funcionamento ao final da segunda quinzena de junho em comparação à primeira quinzena. A pesquisa acompanha a evolução de alguns dos principais efeitos da pandemia de Covid-19 na atividade das empresas não financeiras e faz parte das estatísticas experimentais do IBGE.

 

“A pesquisa não é quantitativa, e sim baseada na percepção das empresas, que é subjetiva e suportada por expectativas. A primeira edição da Pesquisa Pulso comparou as percepções das empresas na primeira quinzena de junho, em relação ao período anterior à pandemia e mostrou que a pandemia teve impacto predominantemente negativo”, esclarece Magheli.

 

Na segunda edição, as empresas percebem ainda um efeito negativo, que é disseminado por porte, atividade econômica e região. “Mas começamos a observar um maior percentual de empresas informando que o impacto negativo em relação à quinzena anterior é menor ou inexistente. De agora em diante, passaremos a acompanhar a evolução a partir de julho”, esclarece Magheli.

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados