Metal Mecânica

Depois de 135 dias de viagem, equipamentos de grande porte chegam ao Projeto Araguaia, no Pará

A Horizonte Minerals recebeu os fornos rotativos calcinador e secador, equipamentos que vieram de fábricas da FLSmidth na China até o canteiro de obras do Projeto Araguaia, em Conceição do Araguaia, no Pará, no dia 17 junho. O processo de engenharia e construção consumiu de 10 meses. A viagem 135 dias. A carga percorreu por mar, rios e rodovias 18 mil quilômetros entre os portos chineses de Taicang e Shangai até o destino final, mobilizando uma grande quantidade de pessoas. Os fornos são fundamentais para o avanço e conclusão das obras do Projeto Araguaia, que está em construção no município do Sudeste paraense.

 

Após o desembarque no Porto de Outeiro, próximo a Belém (PA), as peças foram transportadas através de balsas por via fluvial até Araguatins, no Tocantins, passando pela Eclusa de Tucuruí, no Pará. Com a conclusão do transporte por balsas, começou o trânsito rodoviário, que passou por estradas municipais, federais e pela PA-287, que dá acesso a Conceição do Araguaia. Já no município, o percurso para chegar à área do Projeto Araguaia foi feito pela PA-449 e rodovias municipais.

 

As peças foram transportadas em caminhões especiais de linhas de eixo, adequados para suportar cargas de grandes dimensões. A operação foi executada pela empresa Trans Global Project (TGP Brasil), referência em logística e transporte nesse tipo de operação. A ação mobilizou, além da Polícia Rodoviária Federal (PRF), a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e equipes de apoio para intervenções na rede elétrica e telefônica ao longo do percurso. As rotas para esse transporte foram rigorosamente planejadas devido às dimensões da carga. Em Conceição do Araguaia, a movimentação foi realizada em horários de menor fluxo de veículos e de pessoas para evitar alterações no tráfego local.

 

“Os desafios para uma operação como essa são grandes, mas o principal é a garantia da segurança das cargas e das pessoas envolvidas em todo o transporte”, ressaltou o diretor de Projetos, Leonardo Vianna.

 

“São peças de grandes dimensões, sendo necessário o planejamento e avaliação detalhada de toda a operação, incluindo definição das rotas, escolha dos parceiros e equipamentos de transporte, obtenção das licenças e o mapeamento dos riscos”, completou o diretor de Suprimentos, Pedro Nicolau.

 

As peças foram transportadas com as devidas licenças legais, emitidas pelo Dnit e pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas), incluindo Autorização Especial de Trânsito (AET).

 

EQUIPAMENTOS – O forno rotativo calcinador tem 110 metros de comprimento e 5,5 metros de diâmetro. É um equipamento revestido com refratários para calcinar o minério de níquel que será extraído no Projeto Araguaia. No equipamento, junto com carvão, o minério é calcinado em uma temperatura entre 800 e 900 graus Celsius. Com a função de reduzir significantemente a umidade do minério e iniciar as reações de pré-redução do ferroníquel, o forno tem capacidade projetada de produzir 118 toneladas por hora de calcinado.

 

Outro grande equipamento transportado nessa operação, o secador foi projetado para diminuir parcialmente a umidade do minério laterítico em até 18%. A peça possui 42 metros de comprimento e 5 metros de diâmetro. Esse equipamento funciona mediante o transporte do minério úmido para o silo de alimentação do secador, onde o gás de exaustão se mistura com o ar e fornece o fluxo de gás quente em temperatura constante para realizar a secagem.

 

O forno calcinador e o forno secador fazem parte da linha de produção do Projeto Araguaia, atualmente em construção. (foto/divulgação)

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo