Eletrônica e Informática

Descarte correto de resíduos eletroeletrônicos cresce 75 vezes em 3 anos no Brasil

No dia 14 de outubro, celebra-se o Dia Mundial do Resíduo Eletrônico, seguido pelo Dia do Consumo Consciente em 15 de outubro. Essas datas têm como propósito despertar a consciência da sociedade em relação às questões socioambientais resultantes do consumo e subsequente descarte de uma variedade de produtos eletroeletrônicos e eletrodomésticos que estão sendo substituídos.

 

A Associação Brasileira de Reciclagem de Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos (Abree) elaborou uma série de ações destinadas a sensibilizar a população e marcar este período de grande importância para a sustentabilidade e preservação do meio ambiente.

 

“É preciso conscientizar a população sobre a necessidade de produzir e consumir bens de maneira mais sustentável, assim como desenvolver estratégias para gerir os resíduos já produzidos. De fato, há um amplo leque de ações que podem ser empreendidas nesse sentido, embora nem todos estejam plenamente conscientes disso”, explica Nilson Maestro, presidente da Abree.

 

O Dia Mundial do Resíduo Eletrônico foi instituído pela WEEE Forum, em 2018 com objetivo de conscientizar a população sobre a importância do descarte correto deste tipo de resíduo. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), 97% dos resíduos eletroeletrônicos da América Latina não são descartados de forma apropriada. Apesar desse cenário desafiador, o Ministério do Meio Ambiente revela que, desde a implementação do decreto 10.240/2020, que regulamenta a Política Nacional de Resíduos Sólidos, o Brasil registrou um aumento na quantidade de resíduos eletroeletrônicos e eletrodomésticos coletados. No ano anterior ao decreto, em 2019, o País coletou 16 toneladas. Em 2020, o montante subiu para 105 toneladas. Em 2021, a coleta atingiu a marca de 1,2 mil toneladas de materiais, tais como celulares, computadores, televisores e fones de ouvido. O aumento foi de 75 vezes em 3 anos.

 

Já o Dia do Consumo Consciente foi estabelecido pelo Ministério do Meio Ambiente em 2009, alinhado com os objetivos da Agenda 2030 da ONU, cujo propósito é promover ações conjuntas com a população visando o bem-estar futuro e a preservação do meio ambiente. 42% dos consumidores brasileiros estão modificando os seus hábitos de consumo com o intuito de minimizar seu impacto no meio ambiente, sendo que 30% dos entrevistados demonstram maior atenção aos componentes dos produtos que adquirem, como constatado no estudo da Nielsen, denominado “Estilos de Vida”, de 2019.

 

“Analisando esse cenário, torna-se evidente que, quando devidamente informada, a população se engaja na prática da reciclagem, compreende sua importância e almeja um futuro mais promissor”, complementa Maestro. O presidente da Abree destaca ainda a existência de algumas iniciativas que podem ser promovidas para melhor informar a população, incentivar um consumo mais sustentável e promover a reciclagem dos produtos consumidos. São elas:

  1. Busque o conhecimento sobre sustentabilidade – É fundamental adquirir informações sobre os impactos gerados pelo consumo, não com o propósito de abster-se de consumir, mas, ao contrário, buscar marcas que adotem práticas sustentáveis. Além disso, por meio desse aprendizado, é possível compreender que nem todos os tipos de resíduos sólidos podem ser descartados juntos. Um bom exemplo é o caso dos resíduos eletroeletrônicos e eletrodomésticos, que precisam de uma destinação específica. Essa destinação pode ser facilmente providenciada no momento da compra de um novo produto, em pontos de recebimento disponíveis pelo varejo de todo o Brasil.

 

  1. Se possível, consuma produtos concebidos sob uma perspectiva sustentável – É cada vez mais comum que empresas se empenhem em modificar seus produtos de modo a reduzir ou até mesmo neutralizar seu impacto ambiental. Essa tendência deve ser incentivada. O consumidor, por sua vez, pode sempre optar pela alternativa mais favorável disponível, incentivando assim a indústria a desenvolver soluções alinhadas com esse padrão de consumo. Nessa perspectiva, é importante considerar não apenas produtos fabricados com materiais recicláveis, por exemplo, mas também aqueles que possam ser reciclados adequadamente após o descarte. O descarte adequado, no qual o consumidor pode desempenhar um papel fundamental, faz toda a diferença.

 

  1. É importante contar com o varejo, a indústria e a população como um time – O consumidor não está sozinho. Varejistas e indústrias têm o potencial de promover incentivos à sustentabilidade, condicionando o ato de consumo a vantagens para os consumidores. Nesse cenário, é preciso atuar de maneira sinérgica, com a indústria apoiando a prática da manufatura reversa, o consumidor dando início ao processo de logística reversa e o varejo incentivando o consumo sustentável.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo