Eletrônica e Informática

É caro provar que “você é você” no Brasil, mas processos digitais de identificação podem mudar o cenário

O Brasil chegou à marca de 165 milhões de pessoas conectadas à internet, segundo o relatório Digital 2022, com maior oferta de serviços digitais por empresas e governo. A pandemia acelerou quatro vezes o processo de transformação digital na iniciativa privada, e o país ficou em segundo lugar em maturidade digital do governo no ranking do Banco Mundial. Contudo, um estudo da FGV/Unico aponta que esse avanço foi acompanhado pela ineficiência: em 2021, o país desperdiçou, pelo menos, R$ 104 bilhões devido à falta de processos digitais de identificação nos serviços online.

 

O Custo Brasil da Identificação, estudo encomendado à FGV pela Unico, empresa do segmento de identidade digital, revela que, no ápice da digitalização de 2021, o custo de provar que você é você variou de R$ 104,4 bilhões a R$ 174,2 bilhões, o que representa de 1,20 a 2% do PIB naquele ano. Um resultado expressivo quando comparado ao impacto esperado de reformas, como a tributária e previdenciária. “O país perde três vezes mais com a ineficiência dos processos de identificação do que o valor que se espera economizar com reformas importantes”, afirma Renan Pieri, professor do Departamento de Planejamento e Análise Econômica da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV/Eaesp).

 

Essa ineficiência tem um peso importante também no bolso: cada brasileiro gastou, em média, de R$ 497 a R$ 830 no ano para se identificar, em serviços rotineiros, como liberar uso de cartão no banco ou entregar documentos para ser admitido em um emprego. É como se quase 70% de um salário-mínimo fosse, anualmente, destinado para custear ações que poderiam ser feitas de forma digital e com segurança. Na conta, entram gastos como tarifas e taxas cobradas, além de custos indiretos, como o deslocamento e a espera pelo atendimento no local em que o cidadão precisa comprovar a sua identidade.

 

Os resultados revelam que o país não tem aproveitado da melhor maneira possível as oportunidades da evolução tecnológica – que incluem até mesmo as mais recentes soluções em inteligência artificial e o 5G, por exemplo. “A vida se tornou mais digital, mas provar que ‘eu sou eu’ ainda continua seguindo a lógica tradicional, com muitos processos físicos e desperdício de tempo e dinheiro. Empresas e governo têm investido para engajar as pessoas no mundo online, mas ainda há um longo caminho para inovar no quesito autenticação de identidade, garantindo segurança e privacidade”, explica o professor.

 

O objetivo do levantamento foi mapear as situações mais relevantes em que provar a própria identidade pode representar um entrave ou um custo e contribuir com o debate de como tornar empresas e governos mais eficientes.

 

Foram analisados pelos pesquisadores da FGV uma série de dados e processos, inclusive os que envolvem a relação entre empresa e consumidor; empresa e empresa; e consumidor com consumidor. Nessas relações, o custo da identificação pode ter chegado a R$ 51,9 bilhões de reais somente em 2021. Se olharmos para o grupo trabalhadores/empregadores, o valor alcança R$ 22,9 bilhões, sendo 33% maior que o custo estimado para as relações entre cidadãos e governo (R$ 17,2 bilhões). Além disso, o estudo também destaca que os entraves de identificação tradicional geram fraudes que acarretam custos que vão de R$ 37,3 a R$72,2 bilhões.

 

Os cálculos são baseados nos custos relacionados a situações do cotidiano, como:

– Processos de contratação de recursos humanos: custo aproximado de R$ 14,6 bilhões (ou aproximadamente R$ 150,00 para cada brasileiro na população economicamente ativa);

– Assinaturas/registros de contratos e escrituras: custo aproximado de R$ 5,9 bilhões (ou quase R$ 37,00 por cada brasileiro adulto);

– Deslocamento para a emissão de documentos e exercício da cidadania (votar, realizar prova de vida): custo aproximado de R$ 4,2 bilhões (ou R$ 26,40 para cada brasileiro adulto);

– Deslocamento ao cartório para assinar documentos: custo aproximado de R$ 2,9 bilhões (ou quase R$ 18,30 para cada brasileiro adulto).

 

“Conseguimos identificar um grande potencial de aumento na eficiência econômica que pode ser gerado pela implementação de processos baseados em identidade digital”, explica o professor Renan Pieri. O economista destaca que tais ganhos podem ser ainda maiores para o país com a adoção de mecanismos de identidade digital avançada, que possibilitam o armazenamento de informações adicionais atreladas a identidades individuais, como dados fiscais, por exemplo.

 

CUSTO BRASIL  – Essa não é a primeira vez que a Unico investiga os desafios da identificação no Brasil. No ano passado, em parceria com o Instituto Locomotiva, a empresa pesquisou 43 situações cotidianas, como cadastro em lojas, registro para ingressar em um emprego, em instituições de ensino ou para realizar consultas e procedimentos médicos, além de percepções das burocracias existentes em serviços públicos e privados.

 

Os resultados mostraram que 77% dos brasileiros percebiam que desperdiçavam tempo e dinheiro provando a própria identidade. No ranking por setores, a iniciativa privada representava 64% dos 10 serviços listados.

 

Dessa vez, o estudo da FGV estimou o Custo Brasil da Identificação, que representa o quanto o país gasta no processo de identificação tradicional (por meios físicos), em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). A instituição conduziu análises de custos diretos e indiretos associados à identificação tradicional a partir de cerca de 15 bases de dados públicas e privadas.

 

Diego Martins, CEO da Unico, lembra que a identidade digital, além de gerar valor econômico, promove progresso social e permite ampliar o acesso das pessoas a bens e serviços. De 2019 a 2021, a tecnologia da empresa viabilizou que mais de 38 milhões de brasileiros acessassem serviços financeiros digitalmente em bancos e instituições de crédito.

 

“No Brasil e no mundo, estamos avançando rumo a uma economia cada vez mais digital. Contudo, não adianta implantarmos ferramentas para que os acessos a produtos e serviços sejam feitos de forma digital, se, na hora que o brasileiro precisa comprovar sua identidade, ainda seja obrigatória a presença física, e todos os custos que isso envolve, para a apresentação de documentos ou validações de identidade. O Custo Brasil da Identificação evidencia a urgência de colocarmos a modernização de sistemas de identificação públicos e privados como tema prioritário para o desenvolvimento econômico do país”, afirma.

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo