Metal Mecânica

Ferramentas de corte com tecnologia avançada tornam microusinagem mais eficaz

Os mais recentes avanços tecnológicos na indústria automotiva, médica, eletrônica e aeroespacial levaram à miniaturização e maior precisão de componentes mecânicos que, por serem menores e mais complexos requerem máquinas, ferramentas e processos de usinagem que garantam os requisitos de qualidade, produtividade, segurança e confiabilidade na microusinagem dos processos produtivos. Atualmente a microusinagem é um importante e forte segmento de mercado, representando 6% dentre todos os segmentos industriais.

Com o avanço da medicina e da odontologia, a indústria de aparelhos ortopédicos e ortodônticos recorreu à microusinagem em um mercado consumidor preocupado com o bem-estar e a aparência física, e usando cada vez mais microcomponentes, como pinos e parafusos para próteses ósseas e dentárias.

As empresas fabricantes de máquinas, equipamentos e ferramentas estão em constante modernização para atender à grande demanda e lançamentos de produtos que satisfaçam os requisitos de qualidade e alta produção. Entre esses produtos estão os tornos automáticos de cabeçote móvel ou tornos automáticos tipo suíço, cujo princípio de funcionamento é inverso ao dos tornos de cabeçote fixo, pois nesse caso é a peça a ser usinada que se desloca, movimentando-se contra as ferramentas de corte, que permanecem fixas e próximas a uma bucha de guia, o que aumenta toda a estabilidade do sistema. Sua versatilidade resulta de um grande número de eixos e também do fato de se trabalhar com ferramentas rotativas, cujo principal foco são as peças delgadas e que requerem alta precisão dimensional. Este tipo de máquina trabalha exclusivamente com barras para gerar os produtos usinados.

Outro importante e significativo produto para este segmento são as ferramentas de corte, que apresentam tecnologias avançadas nas classes de metal duro, nas geometrias e na intercambialidade de pastilhas que minimizam os tempos de setup.

A aplicabilidade dos considerados microprodutos requer matéria-prima que não apresente problemas dimensionais e de corrosão, como os aços inoxidáveis e as ligas exóticas, a exemplo do titânio. Esses materiais, quando trabalham com baixas e médias velocidades, apresentam problemas de aresta postiça sobre a aresta de corte. Isto significa uma aderência de material sobre a aresta de corte que impede o processo de cisalhamento e dá início a um efeito de arrancamento de material, o que aumenta as temperaturas de corte e gera o inesperado desgaste prematuro das arestas, sem levar em conta os problemas e variações dimensionais que inviabilizam a continuidade da operação.

Este grande desafio exigiu, por exemplo, que os engenheiros de aplicação da TaeguTec desenvolvessem soluções em classes de metal duro fabricadas com microgrãos, coberturas de nitreto de titânio alumínio e um processo de pós-cobertura para atuar como um lubrificante sólido, o que impede a formação da aresta postiça mesmo em condições de corte consideradas baixas para a aplicação. Outro ponto fundamental é o fato de a pastilha ser totalmente retificada, o que garante tolerâncias apertadas e uma aresta de corte afiada, adequada ao tipo de usinagem em questão.

Em geral a microusinagem apresenta problemas de controle de cavacos em algumas operações de torneamento, corte e canal, gerando fitas que danificam o acabamento do produto usinado, lascamentos e quebras nas ferramentas, fazendo com que o operador tenha que parar constantemente a máquina para a remoção dessas fitas, o que atrapalha a produtividade. Esse problema ocorre nos casos em que a operação consiste de pequeno sobremetal e baixo avanço. O simples ato de aumentar qualquer uma das variáveis descritas, avanço ou profundidade de corte melhora o controle de cavacos, porém nem sempre isso é possível, motivo pelo qual é fundamental o uso de uma pastilha que tenha um quebra-cavacos apropriado para esse controle.

Essas máquinas, pelo fato de produzirem peças de alta qualidade com tolerâncias apertadas, têm um custo hora/máquina elevado, o que significa que qualquer segundo economizado é muito bem-vindo. Mesmo com toda a rapidez na troca entre as operações, foram desenvolvidas para atender esta necessidade, ferramentas multifunções para executar com uma única ferramenta operações de furação, mandrilamento, faceamento, chanfros, torneamento externo, roscas internas e externas, ou seja, uma revolução no conceito de redução de tempo.

A evolução nas operações de acabamento de superfície também é um fator que precisa ser levado em consideração. Já é possível trabalhar em microusinagem com pastilhas no conceito Wiper, que possui uma fase alisadora capaz de quebrar as cristas deixadas pelos raios convencionais.

Este processo possibilita dobrar as atuais taxas de avanço, o que é preponderante para o aumento de produtividade.
Esse fenômeno gerou um aumento na demanda por ferramentas de corte TaeguTec, com soluções e uma linha completa de ferramentas adequadas para o mercado da indústria em miniatura.

Diferenciais competitivos, como os abordados, aumentam a produtividade, diminuem os tempos de setup, garantem excelente qualidade dos microprodutos usinados.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo