Eletrônica e Informática

Gastos globais com a defesa aumentaram 4,9% em 2018

As despesas globais com a defesa cresceram 4,9% em 2018, o mais rápido índice de crescimento desde 2008, segundo o relatório anual Jane’s Defence Budget, lançado pela IHS Markit.

Os gastos globais com a defesa cresceram pelo quinto ano consecutivo, atingindo o total de US$ 1,78 trilhão em 2018, bem superior ao recorde pós-guerra fria de US$ 1,69 trilhão de 2010.

Dando impulso a esse crescimento está a expansão de 5,8% dos gastos da Otan, que totalizou US$ 54 bilhões, grande parte devido ao aumento dos gastos em defesa dos Estados Unidos. O relatório prevê que os gastos em defesa da Otan vão superar US$ 1 trilhão em 2019.

“Seguindo um período desafiador para os membros da Otan na sequência da crise financeira global, os países começaram a aumentar  novamente os gastos com defesa, em resposta às ameaças emergentes”, afirma Fenella McGerty, analista principal da Jane’s by IHS Markit. “Isso fez retardar o rebalanço nos gastos em defesa em direção aos mercados emergentes.”

A Jane’s by IHS Markit projeta que os gastos com defesa vão ter um crescimento moderado, caindo para o nível de 2% ao ano, nos próximos cinco anos, na medida em que o aumento nos orçamentos perde velocidade na Europa e nos Estados Unidos e, novamente, os países emergentes se tornarão essenciais para o crescimento.

“Em 2018 assistimos a uma reversão das tendências recentes com os países ocidentais conduzindo o crescimento”, afirma Craig Caffrey, analista principal na IHS Markit. “Avançando, nós continuamos a ver a Ásia e o Oriente Médio como as fontes principais de crescimento sustentável nos gastos com a defesa.”

OTAN – Em 2010, os membros da Otan foram responsáveis por dois terços dos gastos globais com a defesa. À medida que os mercados em desenvolvimento aumentaram e as economias desenvolvidas fizeram cortes durante uma década, o balanço dos gastos com defesa mudou radicalmente. A parcela dos gastos da  Otan caiu progressivamente para somente 55% em 2017 enquanto os gastos não-Otan seguem para ultrapassar os gastos da Otan no início da década de 2020.
“Como 24 dos 29 membros da Otan aumentaram seus orçamentos de defesa em 2018, o declínio da participação da Otan nos gastos globais foi paralisado”, afirma McGerty. “O recomprometimento com a defesa nos países do ocidente significa que o balanço global entre os mercados Otan e não-Otan  agora parece que vai mudar a partir de meados da década de 2020.”

Nove membros da Otan vão atingir o benchmark de 2% do PIB em gastos com a defesa em 2019 – contra apenas quatro membros em 2014.  Esses países são: Estados Unidos, Grécia, Estônia, Lituânia, Reino Unido, Polônia, França, Letônia e Romênia.

ESTADOS UNIDOS – Os gastos com defesa dos Estados Unidos aumentaram cerca de US$ 46 bilhões em 2018, atingindo US$ 702,5 bilhões, devido ao fato de o Pentágono ter procurado melhorar a prontidão militar e aumentar a capacidade de defesa contra mísseis. O aumento de 7% no orçamento do Pentágono representa o maior aumento na defesa nos Estados Unidos desde 2008.

“O orçamento para modernização chegará a US$ 244,1 bilhão no ano fiscal de 2019 – o mais alto nível de financiamento para investimento desde os períodos fiscais de 2007-2010, que experimentaram o máximo Overseas Contingency Operations (orçamento suplementar) e o máximo nível de gastos do Departamento de Defesa (DoD) dos Estados Unidos diz Guy Eastman, analista sênior da Jane’s. “Os níveis de investimento para os anos fiscais de  2018 e 2019 possibilitaram ao DoD dos Estados Unidos a começar o caminho para melhorar a prontidão e adquirir melhor capacidade de combate.”

EUROPA OCIDENTAL – Seis dos dez mais rápidos crescimentos nos orçamentos de defesa no mundo foram observados na Europa Ocidental. Os gastos com a defesa na região cresceram quase 9% em 2018, com Polônia, Romênia e Ucrânia conduzindo os aumentos. Notavelmente, os gastos com equipamentos militares mais que dobraram na região desde a anexação da Crimeia em 2014.

Os gastos com a defesa na Europa Ocidental cresceram pelo terceiro ano consecutivo em 2018, atingindo US$ 248 bilhões – 2,4% a mais que em 2017.

Em 2019, os gastos regionais devem superar os níveis do período pré-crise financeira com o crescimento acelerando para 3,6% puxado pelo aumento de 11% no orçamento de defesa da Alemanha.

“Como os balanços fiscais melhoraram, os países podem responder ao marcadamente mais pobre ambiente de segurança e solucionar os gaps de segurança que surgiram”, diz McGerty. “A cooperação européia de defesa é também um fator condutor à medida que os países procuram aumentar as capacidades domésticas, mas também ser parceiras em novas tecnologias, que exigem investimentos maiores.”

Os gastos com a defesa na Europa parecem apresentar tendência de crescimento, mas isso depende de um orçamento de defesa estável do Reino Unido, a superação das negociações do Brexit e dos impactos econômicos.

ÁSIA-PACÍFICO – O crescimento na região Ásia-Pacífico acelerou para 3,6% em 2018, mas permanece abaixo da média de 4,8% verificada na última década. Os gastos regionais atingiram o recorde de US$ 465 bilhões em 2018.

Apesar das preocupações com a segurança, o principal motivo para o aumento no orçamento de defesa é o crescimento econômico na Ásia.

“As motivações estratégicas sem dúvida estão se tornando mais importantes, mas a tendência continua a ser ditada pelas condições econômica e fiscal. Os fortes fundamentos econômicos estruturais significam que a Ásia é de onde esperamos que venha a maior parte do crescimento sustentável de longo prazo”, afirma Caffrey. “De uma perspectiva orçamentária, nós continuamos a ver muitos poucos indicadores de que uma corrida armamentista  está em curso na Ásia.”

ARÁBIA SAUDITA – Os preços mais elevados o petróleo em 2018 contribuíram para um aumento no crescimento no Oriente Médio e Norte da África, com o total dos gastos na região chegando a US$ 180 bilhões. A Arábia Saudita aumentou seus gastos com a defesa em 7% chegando a US$ 56 bilhões – o quinto maior  do mundo.

“O grande aumento no orçamento de defesa da Arábia Saudita conduziu as tendências no Oriente Médio e Norte da África”, afirma Caffrey. “Com o preço do petróleo caindo novamente no final do ano, o crescimento regional parece que vai permanecer conservador no curto prazo.”

BRASIL – Os gastos com defesa na América Latina cresceram 10,4% em 2018, atingindo um novo pico que quase US$ 62 bilhões.  A alocação de recursos de US$ 29,9 bilhões por parte do Brasil representou 48,3% desse total.

“A recuperação dos orçamentos de defesa na América Latina continuou nesse ano, mas foi na Venezuela onde, por conta da hiperinflação, houve a necessidade de massivos suplementos, o crescimento foi marcadamente mais moderado que em 2017”, afirma Andrew MacDonald, analista sênior da Jane’s by IHS Markit.

Fonte: Ipesi

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo