Metal Mecânica

Indústria alemã de máquinas prevê queda na produção em 2024, excesso de burocracia preocupa pequenas indústrias

A indústria alemã de máquinas-ferramenta projeta queda na produção de quase 3%, para 14,8 mil milhões de euros em termos nominais. “Um volume nominal recorde de 17 bilhões de euros foi registrado em 2018/2019 e, cinco anos depois, ainda não há sinais de que este valor seja igualado”, disse Franz-Xaver Bernhard, presidente da VDW (Associação Alemã de Construtores de Máquinas-Ferramenta). Em coletiva de imprensa realizada no dia 22 de janeiro.

 

O arrefecimento no nível de encomendas é registrado desde o início de 2023, com crescente nas vendas e na produção atuais. A considerável carteira de encomendas, representando cerca de onze meses de trabalho, ajudou. No entanto, quase todos os gargalos de fornecimento foram solucionados, permitindo que o atraso nas entregas fosse resolvido mais rapidamente. Dessa forma, os pedidos disponíveis são cada vez menos capazes de compensar a falta de novos pedidos.

 

No geral, as encomendas caíram 10% em termos nominais em 2023. O declínio foi parcialmente compensado por vários meses de negócios de projetos mais fortes. A procura interna caiu 14 por cento, quase o dobro da procura externa.

 

Para a VDW, é pouco provável que a economia global dê um grande impulso em 2024. As taxas de crescimento tanto do produto interno bruto como do investimento caíram mais uma vez em relação aos níveis do ano anterior. O índice internacional de gerentes de compras também destaca a fraqueza da economia global em todos os principais mercados, especialmente na zona euro e na Alemanha.

 

“Na verdade, estamos atualmente vendo dois desenvolvimentos divergentes”, disse Bernhard. “Setores em crescimento, como veículos elétricos, energia eólica, tecnologia médica, aeroespacial e defesa, impulsionaram o negócio de projetos em particular, enquanto o negócio de máquinas padrão teve um desempenho mais fraco. Os clientes de pequeno e médio portes, como as empresas prestadoras de serviços industriais, estão incertos quanto ao futuro e relutam em investir. As compras de máquinas também são mais difíceis de financiar devido às taxas de juros mais elevadas. As empresas que se prepararam para o processo de transformação numa fase inicial estão, portanto, mais capazes de resistir à fraca procura.

 

2023 – No ano passado, estima-se que a produção tenha aumentado pouco menos de 8% em termos nominais, para 15,2 bilhões de euros. Em termos reais, isto representa um aumento de 2 por cento devido à inflação, que se manteve num nível médio elevado ao longo do ano. As exportações cresceram 9 por cento. A taxa de exportação atingiu quase 70 por cento. As exportações foram impulsionadas pelo crescimento de dois dígitos na América. A Ásia e a Europa, por outro lado, registraram apenas aumentos de um dígito. Os EUA, em particular, registraram um crescimento extremamente dinâmico, impulsionado sobretudo pelo investimento na proteção climática e nas energias renováveis. A China, por outro lado, registrou um crescimento fraco devido à queda da procura dos consumidores e às dificuldades persistentes no setor imobiliário. Já a Índia registrou um forte crescimento.

 

Com 5%, as vendas internas não aumentaram tanto. Isto pode ser atribuído em parte à menor procura por parte dos clientes domésticos. Com uma média de 89,6% no último ano, as empresas tiveram uma boa utilização da capacidade e também contrataram novamente mais pessoas. Cerca de 66.600 mulheres e homens estavam empregados no setor no final de 2023, mais 2,4 por cento do que no final de 2022.

 

BUROCRACIA – Outra causa de grande preocupação para a indústria – para além do desenvolvimento econômico geral – é o zelo regulatório do governo alemão e da administração da União Europeia. Como exemplo, Bernhard citou a Lei do Dever de Cuidado da Cadeia de Abastecimento e a Diretiva de Relatórios Sustentáveis ​​Corporativos da União Europeia (CSRD) como “exemplos particularmente flagrantes de monstros burocráticos”. “São um fardo adicional para as empresas e representam um desafio desproporcional para as pequenas e médias empresas em tempos já difíceis. Eles não conseguem atingir os seus objetivos e os custos resultantes são demasiado elevados”, disse.

 

Segundo Bernhard , ambas as leis incluem extensa documentação e obrigações de comunicação relativas ao cumprimento de condições justas de trabalho e requisitos de proteção ambiental na cadeia de suprimento. “Mesmo que fosse possível criar cadeias de suprimento transparentes, as PME não têm poder no mercado para fazer cumprir as normas exigidas em fornecedores fora da sua própria esfera de influência legal”, acrescentou. “Isto não pretende diminuir a importância do respeito pelos direitos humanos e pelos aspectos ambientais na atividade econômica. A simples abordagem do problema aumenta os níveis de conscientização. No entanto, acredito firmemente que é tarefa do governo garantir que as normas sejam efetivamente aplicadas”, complementou.

 

Os longos requisitos de licenciamento para exportações de produtos de dupla utilização representam outra fonte de irritação, segundo Bernhard. Os pedidos que deveriam ser processados ​​rapidamente pelo departamento federal de exportação são apanhados no processo político em Berlim. Os comitês envolvidos na análise e concessão de aprovações individuais reúnem-se apenas uma vez a cada três semanas ou mais, e a experiência mostra que cada pedido é analisado até três vezes.

 

Durante este período, os requerentes não recebem qualquer notificação provisória e, portanto, não podem fornecer aos seus clientes qualquer informação fiável. Muitas vezes, o processamento das candidaturas demora muito tempo, mesmo para projetos subsequentes em que o cliente já adquiriu máquinas aprovadas, ou no caso de encomendas de subsidiárias alemãs.

 

Existe o risco de cancelamento por parte do cliente se o fabricante da máquina-ferramenta não receber a aprovação em até seis a oito ou mais meses após o pedido ter sido feito e não puder começar a fabricar as máquinas nesse período. A reputação da empresa também sofre. “Algumas empresas têm uma proporção considerável do seu volume de negócios à espera da aprovação das autoridades”, disse Bernhard.

 

De acordo com Bernhard, “quase nenhum pedido é realmente rejeitado – por isso não se trata de questionar os procedimentos, apenas de encurtar os tempos de processamento. Também faria sentido analisar as reuniões dos comitês com mais frequência durante um período temporário, a fim de aliviar o gargalo.” (Franco Tanio)

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo