Eletrônica e Informática

Maior parte das indústrias brasileiras deseja migrar do mercado cativo para o mercado livre de energia

Pesquisa inédita da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que 56% das indústrias que estão no mercado cativo – aquele tradicional em que a energia é comprada junto às concessionárias – têm interesse em migrar para o mercado livre, a partir de 2024. Atualmente, cerca de 10,5 mil empresas industriais operam nesse modelo em que o consumidor negocia direta e livremente com as empresas geradoras ou comercializadoras de energia.

De acordo com a Sondagem Especial Indústria e Energia, 59% das grandes empresas obtêm fornecimento do mercado livre, sendo 52% exclusivamente desse mercado. Entre as indústrias de médio porte, 57% estão no cativo e 25% somente no mercado livre; já entre as pequenas empresas, 70% obtêm energia do mercado cativo e apenas 6% estão totalmente no mercado livre.

De acordo com estimativas da CNI, as indústrias que migrarem para o mercado livre poderão ter economia, em média, de 15% a 20% na conta de luz. A Portaria nº 50/2022 do Ministério de Minas e Energia (MME) estabelece que as empresas de enquadramento tarifário de alta tensão possam migrar para o mercado livre a partir de 1º de janeiro de 2024.

“O momento é de preparação por parte dessas empresas para a migração. 2023 será um ano para estudar o mercado, planejar e fazer contas sobre a viabilidade de ingressar no mercado livre. A estimativa é de que 45 mil indústrias têm condições de migrar a partir de 2024”, afirma Roberto Wagner Pereira, especialista em Energia da CNI.

Os números da sondagem revelam que, entre as grandes empresas, 59% afirmaram que há possibilidade de migrar para o mercado livre. Entre as indústrias de médio porte esse mesmo percentual foi de 61% e, entre as pequenas empresas, 48% indicaram a possibilidade de migrar.

A pesquisa mostra também que a energia elétrica é a principal fonte de energia para 78% das indústrias brasileiras, percentual que não difere muito da pesquisa anterior, realizada em 2016, cujo índice era de 79%. As demais formas de energia consumidas pela indústria, atualmente, são: óleo diesel (4%), gás natural (4%), lenha (3%) e bagaço de cana (2%).

Nos últimos 12 meses, o aumento médio percentual dos gastos com energia elétrica no custo total de produção das indústrias foi de 13%. Para 75% das empresas, esse aumento teve impacto relevante sobre seus custos, sendo médio ou alto para 40% dessas empresas.

PETRÓLEO E DIESEL – Uma das queixas apontadas pelos empresários entrevistados foi o aumento do preço do barril de petróleo no mercado internacional, primeiro pelo retorno das atividades econômicas com o arrefecimento da pandemia e, em seguida, pelos desdobramentos da guerra na Ucrânia. O impacto da alta no preço do diesel foi identificado como “alto” para 41% das empresas pesquisadas.

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA – Segundo a sondagem da CNI, as indústrias têm dado atenção a medidas voltadas para a eficiência energética. A maioria (52%) investiu em máquinas mais eficientes. Entre as grandes empresas, esse percentual é maior – 63%. Já em relação às médias e pequenas, os percentuais foram de 48% e 33%, respectivamente.

A diversificação das fontes de energia faz parte do plano de um quinto das indústrias. Tal medida permite reduzir a insegurança energética das plantas industriais e possibilita combinar diferentes fontes de energia em busca de maior eficiência de custos ou de produção.

Participaram da Sondagem Especial Indústria e Energia 2.016 empresas, sendo 794 pequenas, 724 médias e 498 grandes. A pesquisa foi realizada em outubro de 2022.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo