Eletrônica e Informática

Matriz elétrica brasileira tem expansão de 2,6 GW no primeiro trimestre

O Brasil concluiu o primeiro trimestre de 2024 com 105 novas usinas e um incremento de 2,6 gigawatts (GW) na potência instalada. Desse total, o mês de março respondeu por um aumento de 906 megawatts (MW) e a entrada em operação de 41 usinas, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) .

 

O resultado do primeiro trimestre está em linha com a previsão de crescimento da geração de energia elétrica calculada pela Aneel para 2024, de 10,1 GW. Este será o segundo maior avanço anual já verificado pela agência desde sua criação em 1997 – atrás apenas do crescimento de 10,3 GW em 2023.

 

O incremento verificado em março decorre em grande parte das 13 centrais solares fotovoltaicas (544,22 MW) e das 25 eólicas (316,30 MW) que passaram a operar no período. Além dessas, também entraram em operação no mês uma usina termelétrica (26,00 MW) e duas pequenas centrais hidrelétricas (19,75 MW).

 

Nove estados contam com empreendimentos liberados para operação comercial este ano, nas regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste e Sul. Os destaques, em ordem decrescente, foram o Rio Grande do Norte (1.171,33 MW), Minas Gerais (472,80 MW) e a Bahia (439,90 MW).

 

O Brasil ultrapassou no dia 7 de março a marca de 200 gigawatts de potência. Em 10 de abril, o Brasil somou 201.108,7 MW de potência fiscalizada, de acordo com dados do Sistema de Informações de Geração da Aneel, o Siga, atualizado diariamente com dados de usinas em operação e de empreendimentos outorgados em fase de construção. Desse total em operação, ainda de acordo com o SIGA, 84,41% das usinas são consideradas renováveis.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo