Artigos e Cases

O papel dos MSPs brasileiros na evolução das aplicações IoT em 2024

Luis Arís

 

Os dispositivos IoT (Internet of Things, Internet das Coisas) seguem mudando o Brasil. Dados da consultoria Teleco de outubro de 2023 indicam que inovações baseadas em IoT podem adicionar R$ 122 bilhões ao PIB brasileiro até 2025. Muitas vezes invisíveis a olho nu, milhões de dispositivos IoT já estão implementados, sustentando as operações de gigantes do agronegócio a plantas de petróleo e gás, de minas de bauxita a smart cities.

 

Em todos os casos, a inteligência adicionada pela tecnologia IoT a áreas pouco digitalizadas está revolucionando a produtividade e a capacidade de inovação de diversas verticais da economia.

 

Para atingir os resultados esperados, no entanto, é essencial adicionar à infraestrutura IoT um elemento crítico: os MSPs (Managed Services Providers, provedores de serviços gerenciados). Estudo da MarketsandMarkets de 2023 indica que, até 2028, o mercado global de MSPs deve atingir o valor de US$ 372,6 bilhões. Sem a abordagem preditiva do gerenciamento 24×7 oferecido pelos MSPs, a possibilidade de falhas do ambiente IoT é algo que pode atrasar o avanço da economia brasileira em 2024.

 

No segmento de monitoramento de ambientes IoT, as funções do MSP são múltiplas:

  1. Monitoramento e gerenciamento remotos: Rastrear a saúde, o desempenho e os diagnósticos de dispositivos IoT em tempo real. Isso gera uma proatividade na resolução de problemas.

 

  1. Manutenção preditiva: Monitorar a condição do equipamento para identificar potenciais falhas ou necessidades de manutenção antes da sua ocorrência. Isso permite aos MSPs agendar atividades de manutenção proativa, minimizando o tempo de inatividade para os seus clientes.

 

  1. Rastreamento de ativos e gestão de estoque: Dispositivos de IoT como tags RFID ou rastreadores por GPS podem ser usados para rastrear e gerenciar estoque, ativos ou veículos de frota para clientes. Os casos de uso incluiriam monitoramento de locais, condições e padrões de uso, otimização do gerenciamento de estoque. O resultado é uma operação mais eficiente.

 

  1. Segurança e vigilância: Os MSPs podem empregar dispositivos IoT como câmeras IP, sensores de movimento ou sistemas de controle de acesso para aprimorar os serviços de segurança e vigilância para os seus clientes. Esses dispositivos podem ser integrados a uma plataforma centralizada de gerenciamento, viabilizando monitoramento remoto, alertas e respostas a incidentes.

 

  1. Analytics de dados e insights: Aplicando analytics de dados e técnicas de aprendizado de máquina, os MSPs podem descobrir padrões e tendências capazes de impulsionar a eficiência operacional ou servir de base para novos projetos.

 

Tudo isso explica por que os analistas do Gartner recomendam que, além dos investimentos na infraestrutura IoT propriamente dita, as empresas estudem contratar serviços gerenciados para monitorar esses ambientes, de forma a extrair o máximo valor dessas inovações.

 

Estudo do Gartner indica que, até 2024, até dois terços dos MSPs que existem no mundo terão ao menos 50% de seu faturamento baseados em projetos IoT. O mesmo estudo indica que essa realidade será extremamente múltipla, com MSPs buscando se especializar em algumas aplicações de IoT. A especificidade das aplicações IoT exige isso: os desafios trazidos para o MSP pela monitoração de uma planta OT de montagem de automóveis são diferentes das tarefas envolvidas em gerenciar remotamente, por exemplo, uma mina de bauxita.

 

Em todos os casos, o papel do MSP é colaborar na consolidação da gestão dos ambientes IoT, elevando a maturidade digital da empresa usuária. Ainda segundo o Gartner, o MSP resolve várias demandas das empresas usuárias, como a falta de profissionais com expertise nos diversos mundos IoT e a necessidade de oferecer suporte e resolução de problemas a espaços muito específicos e cada vez mais críticos para os negócios.

 

O coração da oferta do MSP é uma plataforma de monitoramento multiprotocolo que entrega, para o MSP e seu cliente, visibilidade e controle sobre as mais diversas tecnologias IoT.

 

Nessa jornada, alguns recursos são essenciais:

Suporte a milhões de dispositivos IoT – Um dos maiores desafios é incluir na plataforma de monitoramento implementada no MSP milhares ou milhões de dispositivos IoT. Trata-se de uma realidade muito diferente da tarefa tradicional do MSP, que costumava monitorar no máximo milhares de componentes de uma rede.

 

Arquitetura flexível – Tanto o profissional do MSP como o gestor da empresa usuária precisam acessar 24×7 o dashboard de monitoramento. Trata-se de uma responsabilidade compartilhada. O MSP é o dono da licença de software de monitoramento, que roda na nuvem ou em seu data center on-premises.

 

Sensores sob medida para o ambiente do cliente – Conforme o perfil da empresa que está sendo gerenciada, é possível usar algumas das centenas de sensores já desenvolvidos e testados. A facilidade de uso das melhores plataformas de monitoramento, no entanto, permite que o MSP customize sensores sob medidas para ambientes IoT muito específicos. É fundamental que esse olhar abrangente inclua, também, o gerenciamento de dispositivos IIoT (Industrial Internet of Things).

De acordo com estudo da Accenture de 2023, aplicações IIoT podem adicionar US$ 14,2 trilhões à economia global até 2030.

 

Visão convergente ou segmentada – Conforme a demanda do cliente do MSP, é possível usar um único dashboard para monitorar os mais diversos ambientes IoT, OT e IT. Outra possibilidade é gerar dezenas ou centenas de painéis de controle mais especializados, capazes de aprofundar a leitura sobre um determinado espaço digitalizado. Isso é estratégico. Experts em automação industrial (OT) e gestores de TI precisam ter o máximo controle sobre um ambiente cada vez mais híbrido, cada vez mais distribuído e cada vez mais crítico para os negócios.

 

O que conhecemos hoje de aplicações IoT é nada perto do que ainda virá. Novas fronteiras de digitalização baseadas nesses dispositivos são desbravadas todo dia. O sucesso destas empreitadas, porém, depende de se adicionar, à escolha e implementação do dispositivo IoT e ao desenvolvimento das aplicações IoT, 360º de visibilidade sobre todo esse universo. Essa visão preditiva sobre ambientes muito diferentes entre si pode ser entregue por meio de MSPs. Com ajuda de plataformas de monitoramento, os profissionais do MSP trabalham 24×7 para sustentar processos críticos de empresas cada vez mais digitalizadas, que não podem parar.

_______________________________________________________________________________

Luis Arís é gerente de Desenvolvimento de Negócios da Paessler Latam.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo