Metal Mecânica

Produção de máquinas-ferramenta na Alemanha deve crescer 10% nesse ano, mas desempenho em 2024 é incerto

Os pedidos recebidos pela indústria alemã de máquinas-ferramenta no terceiro trimestre de 2023 caíram 9% em termos nominais em relação ao mesmo período do ano passado. As encomendas da Alemanha diminuíram 8%, enquanto as do exterior caíram 9%. As encomendas recebidas caíram um total de 7% nos primeiros três trimestres de 2023. As encomendas internas foram 12% e as encomendas estrangeiras 5% inferiores às do mesmo período do ano passado. Isso representa uma queda de 12% nos pedidos em termos reais, de acordo com dados divulgados pela VDW, a associação alemã de fabricantes de máquinas-ferramenta

 

“Ainda não há sinais de recuperação nos pedidos recebidos na indústria alemã de máquinas-ferramenta”, diz o dr. Wilfried Schäfer, diretor executivo da VDW, comentando os resultados . Os baixos níveis de investimento afetam toda a economia global. As elevadas taxas de juro e os custos arrefecem o investimento na Alemanha e na Europa como um todo. A procura dos consumidores concentra-se principalmente nos serviços. Os níveis de estoques, que muitas empresas acumularam durante o período de estrangulamentos pronunciados no fornecimento, estão agora diminuindo novamente. Contudo, a pressão sobre os custos diminui agora que a taxa de inflação começou a cair e os preços da energia, das matérias-primas e dos bens intermédios também caem.

 

As encomendas estrangeiras recebidas da Europa e da Ásia estão atualmente em baixa. A economia chinesa, em particular, está fraca. O país enfrenta uma baixa demanda por parte dos consumidores e um setor imobiliário em dificuldades. A economia dos EUA, pelo contrário, é mais resiliente, com o país fazendo mais encomendas do que a China nesse momento.

 

“A grande acumulação de encomendas está mais uma vez a ajudando  nesses tempos difíceis”, afirma Schäfer. À taxa de dois dígitos de 14 por cento em termos nominais, o volume de negócios continua aumentando, embora o crescimento esteja gradualmente a estabilizando-se. A utilização da capacidade caiu novamente ligeiramente em outubro deste ano, de 90,5% em julho para 88,5%. Havia 65 mil funcionários no setor ao final do primeiro semestre.

 

“Nestas circunstâncias, podemos reconfirmar a nossa previsão de produção de um crescimento de 10% no ano em curso”, conclui Schäfer. Contudo, a evolução no próximo ano é caracterizada por uma grande incerteza.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo