Eletrônica e Informática

Programas de estágio e de aprendizagem criaram mais de 180 mil postos de trabalho em 2018

Os programas de estágio e aprendizagem possibilitaram em 2018 a criação de mais de 180 mil postos de trabalho diretos, indiretos e induzidos, com mais de R$ 15 bilhões de valor adicionados ao Produto Interno Bruto, segundo pesquisa sobre Impactos Sociais e Econômicos dos Programas de Estágio e Aprendizagem encomendada pelo Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee) à Fundação Instituto de Pesquisa Econômicas (Fipe). O relatório, divulgado no dia 11 de junho, ainda apresenta um comparativo dos custos associados às modalidades de contratação, além de contextualizar o cenário do estágio e aprendizagem a partir de uma análise dos principais indicadores econômicos do País.

Destacam-se na pesquisa os benefícios que os programas trazem para a sociedade de modo geral. Para isso foram levantados os dados sociais, econômicos, demográficos sobre os públicos atendidos pelos dois programas. Humberto Casagrande, superintendente Geral do Ciee, ressaltou a recente marca de 500 mil aprendizes formados pelo programa Aprendiz Legal do Ciee, desde sua implantação: “Infelizmente apenas 40% das empresas no Brasil cumprem a lei e fazem a contratação dos aprendizes. Acredito que o caminho para aumentar este número é mostrar para o empresário que contratar jovens é bom para os negócios.”

Casagrande salientou que o programa jovem aprendiz tem o diferencial que desenvolve a capacitação e softs skills dos estudantes, focando na formação individual com valores de cidadania e ética para além da parte técnica.

Para apresentar os dados gerais do estudo, esteve presente o professor Hélio Zylberstain, do Departamento de Economia da USP e pesquisador da Fipe. “A população jovem é a mais afetada quando há crises. Em 2018, a taxa de desocupação era de 9% para pessoas com mais de 24 anos, enquanto entre os jovens foi de 28,8%. A ideia da pesquisa foi mostrar como pessoas com esse perfil sofrem mais e quais políticas podem ajudá-las”, explica.

A vulnerabilidade da população entre 14 e 24 anos, segundo Zylberstain, não é uma exclusividade do Brasil, mas uma recorrência global. “No entanto, temos esse programa, que é uma cota para as empresas, que tem sido bem sucedido. Se 5% das empresas contratassem, hoje teríamos um contingente muito maior de jovens inseridos no mercado de trabalho”.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo