Artigos e Cases

Quatro tendências de mobilidade inteligente no Brasil em 2024

Normano Ribeiro

 

 

O que faz de um veículo comum um smart car? Num primeiro momento, muitos diriam que são as multifuncionalidades tecnológicas disponíveis dentro dele, como painel multimídia, câmera de ré, conexão via Bluetooth integrada ao smartphone, sistemas automáticos de frenagem e desligamento, entre outras funções. Contudo, quando falamos sobre mobilidade inteligente dentro do conceito de Smart Cities e Smart Mobility, direcionamos nosso olhar para outra variável ainda pouco explorada – a forma de dirigir e interagir com o ambiente fora do carro que já pode ser melhorada com inteligência artificial (IA) e analytics sustentada pela conectividade da Internet das Coisas (IoT).

 

Entre 2013 e 2023, a quantidade de veículos circulando pelo Brasil saltou de 80 milhões para quase 120 milhões, de acordo com a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran). A maior parte da frota é composta por carros (52%), seguida pelas motos (28%), caminhões (15%), outros tipos de veículos (4%) e ônibus (1%).

 

Isso pode significar que a população está dirigindo mais, mas será que está dirigindo melhor? Embora este seja um objetivo a ser alcançado e, com tantos recursos tecnológicos disponíveis, entender nossa forma de conduzir e aprimorá-la nunca foi tão possível quanto é agora.

 

MODO DE DIRIGIR – Atualmente, os sistemas de IA já conseguem identificar o modo de dirigir de cada pessoa, porque deixamos uma espécie de “assinatura” digital quando conduzimos um veículo. E não só isso – as ferramentas são capazes de determinar quem está dirigindo, se a pessoa está dirigindo com padrões semelhantes a quem está com sono, alcoolizada, se está dirigindo de forma perigosa ou se gasta muito combustível, energia, dentre outras variáveis.

 

A Senatran registrou mais de 1 milhão de sinistros de trânsito entre 2018 e 2023 no Brasil. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o custo anual gerado pelos sinistros de trânsito chega a R$ 50 bilhões para o país. Agora imagine se todos nós soubéssemos mais sobre nosso comportamento típico como motorista, se usássemos os dados a nosso próprio favor? Se recebêssemos um alerta, ou dicas para deixar nosso modo de conduzir cada vez mais seguro? Certamente, estes números seriam bem diferentes.

 

Ainda no Brasil, registros do DataSus apontam que, embora a maior parte dos sinistros aconteçam nas grandes cidades, a taxa de internação e óbitos é mais alta nos pequenos e médios municípios que também costumam sofrer com pouca infraestrutura e fazem baixo uso de tecnologia como ferramenta de fiscalização e prevenção de acidentes.

 

TECNOLOGIA APLICADA – O fato é que será cada vez mais comum utilizar tecnologia de ponta para calcular e mitigar riscos envolvendo frotas e ativos de valor. Sempre que um condutor começar a dirigir o veículo – seja um caminhoneiro transportando uma carga, alguém que vai levar uma moto de um ponto ao outro ou uma pessoa que alugou um carro para viajar no final de semana – dados são gerados, e a tecnologia aplicada para gestão em tempo real de risco, não olhando apenas o passado, mas também antevendo coisas ruins com o objetivo de que o risco seja mitigado ou até mesmo eliminado.

 

Motoristas imprudentes podem ser detectados com muito mais facilidade, assim como os que dirigem com mais cuidado e responsabilidade. Da mesma forma, as condições climáticas e das pistas também podem ser mapeadas, fornecendo todas as informações necessárias para o cálculo dos riscos, o que auxilia as seguradoras neste processo.

 

RUAS E ESTRADAS – Quando sabemos exatamente onde acontecem mais intercorrências fica mais fácil pensar em estratégias para resolver o problema. Em alguns casos, o algoritmo apontará buracos e má iluminação, enquanto que, em outros, a questão será mais complexa, como má sinalização e falta de estrutura.

 

Estamos chegando a um ponto em que os governos, estados, prefeituras passarão a compreender a importância de usar IA para compreender comportamento, monitorar espaços com objetivo de erradicar os acidentes em determinados pontos. Já temos tecnologia pronta para tudo isso ser feito com acurácia e precisão de dados.

 

CONTROLE À DISTÂNCIA – Utilizando analytics e IA para enxergar além e responder todas as perguntas que o operador de frotas pode fazer, já podemos treinar a plataforma com as regras de análise tão complexas quanto inter relacionadas, personalizadas e que rodam em tempo real para gerar alertas categorizados. Toda esta tecnologia possibilita ação e automação, dashboards com gráficos, tabelas e relatórios, de maneira integrada e holística, sob a perspectiva de telemetrias, gestoras de risco, transportadoras, operadores logísticos e o cliente que espera sua mercadoria sã e salva, no momento correto.

 

Quando integramos todos os sistemas em um, passamos a operar de um ponto único, com acesso fácil e rápido independente da solução. Isso permite controle total sobre as frotas, o que dificulta roubo, furto e outros tipos de perdas.

 

CONCLUSÃO – Para o ano 2024, podemos esperar um acesso muito maior à informação de qualidade e em grande quantidade – informações estas fornecidas por softwares e hardwares inteligentes e integrados aos veículos, que não apenas coletam e armazenam dados, mas também os cruzam, comparam, combinam e enriquecem.

 

Diante deste cenário, teremos a continuação e o aprimoramento de uma nova forma de encarar a tecnologia na ampla mobilidade e seguiremos rumo à concretização da verdadeira mobilidade inteligente, que deve estar presente em cada vez mais espaços.

 

Como consequência, a expectativa é que os índices de intercorrências se mantenham ou diminuam, embora as vendas de veículos estejam sempre crescendo, pois quanto mais ferramentas capazes de salvar vidas disponíveis, menores devem ser estes números.

 

Esperamos que as cidades inteligentes se tornem ainda mais espertas com as frotas monitoradas e que os insights trazidos pelas análises de dados conduzam às melhores decisões e orientações para toda a sociedade.

_______________________________________________________

Normano Ribeiro é CEO e founder da Able-On.

 

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo