Metal Mecânica

Retificadoras cilíndricas da Junker aumentam rentabilidade da Framo Morat

A Framo Morat, empresa alemã de mais de 100 anos especializada em tecnologia de acionamento e engrenagens, está demonstrando que a eletromobilidade também oferece grandes chances para as empresas de fornecimento.

Com sede em Eisenbach, a companhia está entre as fabricantes da Floresta Negra que mais têm contribuído para as mudanças tecnológicas e estruturais na indústria alemã e mundial. O seu portfólio de produtos é típico da região: engrenagens, engrenagens planetárias, engrenagens helicoidais e até mesmo redutores. Não por acaso, as suas origens remontam à indústria relojoeira.

“Do ponto de vista das vendas, crescemos 44% nos últimos seis anos. Um dos maiores impulsionadores desse desenvolvimento positivo tem sido o mercado da mobilidade elétrica de duas rodas, embora estejamos trabalhando na área automotiva elétrica há dez anos”, afirma Alexander Denz, gerente de Engenharia Industrial da empresa, que também está firmemente estabelecida nas áreas de tecnologia de equipamento para medicina e reabilitação, tecnologia de armazenamento e transporte e também nas áreas das energias renováveis.

O crescimento da companhia resultou, entre outros fatores, de uma intensificação no relacionamento comercial da Framo Morat com o Grupo Junker. “Trabalhamos há uma década com a tecnologia de alta precisão da Junker. Estamos continuamente desenvolvendo nossas competências fundamentais, como parte da nossa estratégia de crescimento. E, na área de retificações cilíndricas, nos estabelecemos em termos de qualidade e maior confiabilidade no produto. As duas retificadoras Lean Selection speed da Junker estão contribuindo significativamente para isso”, sublinha Denz.

As retificadoras cilíndricas da Junker têm demonstrado seu valor na operação em um ou mais turnos, como retificadoras de alta velocidade. O desejo da Framo Morat era um conceito de máquina econômico e, sobretudo, flexível, que realizasse qualquer tarefa de retificação – seja na produção de peças individuais ou de lotes grandes ou pequenos.

As retificadoras estão equipadas com rebolos de CBN e podem trabalhar com uma velocidade periférica de até 140 metros por segundo. Maior vida útil das ferramentas e intervalos para dressagem maiores são apenas dois dos efeitos positivos daí resultantes.

A Lean Selection speed, nova tecnologia da Junker, consegue proporcionar a desejada flexibilidade na produção dos mais variados tipos de peças, em setores totalmente diferentes: “Retificamos os diâmetros dos componentes dos eixos com engrenagens de 8 até 80 mm e comprimento de 40 até 460 milímetros. Nossos lotes de produção variam entre 200 a 2.000 peças por ano. As novas máquinas nos oferecem mais flexibilidade de retificação, em comparação com os rebolos convencionais, pois elimina a necessidade de trocar os rebolos entre os diferentes modelos de peças”, explica Denz.

As retificadoras de alta velocidade asseguram qualidade superior, pois todo o contorno externo é usinado em somente uma fixação. Os dispositivos de medição integrados na posição longitudinal são importantes sistemas de controle e monitoramento no processo de retificação em curso, entre outras vantagens. Graças ao uso das retificadoras Lean Selection speed, além do processo de retificação, também é possível usinar com flexibilidade peças no processo de retificação de mergulho.

Aqueles que se podem firmar na mudança tecnológica, naturalmente também valorizam o fato de ficarem ainda mais preparados para o futuro, com o investimento realizado: “Graças a esse investimento, agora também estamos produzindo peças que antes não faziam parte do portfólio”, diz Alexander Denz, acrescentando: “Até então não tínhamos alcançado a qualidade desejada em relação às larguras das engrenagens nas rodas das bombas de óleo. Tínhamos muito refugo, que precisava ser separado manualmente. Agora, graças à Lean Selection speed, podemos fornecer qualidade superior aos nossos clientes”.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo