Eletrônica e Informática

Tecnologias digitais são usadas no controle aduaneiro na Ponte Internacional da Amizade

A fronteira mais movimentada do Brasil, por onde passam diariamente cerca de cem mil pessoas e 40 mil carros, ganhará um reforço no controle aduaneiro. A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a Alfândega da Receita Federal e o Instituto de Desenvolvimento Tecnológico (INDT) iniciam as operações do “Fronteira Tech” na Ponte Internacional da Amizade, que liga Foz do Iguaçu (PR) à Ciudad del Este. O lançamento do projeto aconteceu ontem, 16 de dezembro, na Aduana da divisa com o Paraguai.

 

 

A iniciativa vai promover o uso de tecnologias digitais com foco na segurança pública. “Queremos difundir e promover a adoção de tecnologias como a de Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Big Data, dentre outras que irão fomentar a cadeia produtiva do Brasil. São equipamentos testados no nosso Laboratório Vivo de Cidades Inteligentes e que agora colocamos para funcionar em um ambiente real”, explicou Igor Calvet, presidente da ABDI.

 

 

 

“O uso das câmeras de alta definição para monitoramento do ambiente urbano gera informações em tempo real que são controladas por um centro de operações, trazendo impacto positivo no serviço aduaneiro”, aponta o auditor fiscal Paulo Sérgio Cordeiro Bini, delegado da Alfândega da Receita Federal de Foz do Iguaçu.

 

 

Na entrada e saída da Aduana e ao longo da Ponte da Amizade haverá 33 luminárias inteligentes, com duas câmeras em cada uma delas, totalizando 66 equipamentos com capacidade de fazer reconhecimento facial e identificar placas de automóveis. Outras quatro câmeras fixas com as mesmas tecnologias ficarão em pontos estratégicos. Além disso, serão 15 luminárias de LED com telegestão e GPS e 11 sensores de tiro integrando o sistema.

 

O software de Inteligência Artificial identifica padrões e gera dados que ajudarão no combate a crimes como tráfico de drogas e armas, contrabando e descaminho. Se um carro for roubado e passar pelo local, o sistema é capaz de identificar rapidamente a placa do veículo e emitir um alerta. O mesmo ocorre com a identificação facial para procurados da justiça, por exemplo.

 

A expectativa é a de que o projeto possa ser replicado em outras aduanas brasileiras de fronteira, em postos da Polícia Rodoviária Federal, em municípios com elevados índices de criminalidade, ou mesmo na segurança de empresas e parques industriais. O investimento na aquisição, instalação e operação dos equipamentos e softwares na Ponte da Amizade é de R$ 5 milhões.

 

Todo o sistema, que inclui a rede de iluminação pública inteligente, com câmeras, wi-fi, sensor de tiro, sistema de identificação facial e reconhecimento de padrões, que está sendo instalado na Aduana e na Ponte da Amizade, foi testado no Living Lab, o Laboratório Vivo inaugurado em janeiro de 2019 em parceria entre a ABDI e o Parque Tecnológico de Itaipu (PTI). O Living Lab foi montado para demonstrar e avaliar soluções para Cidades Inteligentes.

 

 

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados