Metal Mecânica

Como era produzida a famosa espada Ulfberht dos vikings

Os vikings, povos que habitavam a Península da Escandinávia, entre o final do século VIII e o século XI, saquearam, ocuparam e colonizaram o litoral da Escandinávia, da Europa e das Ilhas Britânicas. Chegaram também à Rússia, com suas famosas espadas com a marca Ulfberht, que até hoje intrigam pela alta qualidade das lâminas. Espadas com a marca foram encontradas também na Noruega, Finlândia e Alemanha.

Cientistas da Universidade Nacional de Ciência e Tecnologia de Moscou (Nust Misis), com seus colegas da Universidade Estadual Lomonosov de Moscou e do Museu Histórico do Estado, investigaram essas espadas dos vikings encontrados dos túmulos nas imediações de Smolensk, no oeste do país. Resultado do exame metalográfico, os cientistas obtiveram dados que explicam as excelentes propriedades das lâminas lendárias do século X, com as marcas da oficina.

Os cientistas da Nust Misis examinaram várias espadas do século X com a marca da famosa oficina de armas Ulfberht encontradas no complexo arqueológico de Gnezdovo, nas imediações Smolensk e os túmulos da região sudeste de Ladoga.

Ulfberht é uma transcrição moderna da inscrição +VLFBERHT+ comumente encontrada em espadas francas do início da Idade Média, do século VIII ao XI. Até hoje, cerca de 170 espadas Ulfberht, foram encontradas. Supõe-se que a famosa oficina estava localizada no território da Renânia.

Os produtos de alta qualidade da “marca” medieval, juntamente com guerreiros e mercadores, dispersou-se por toda a Europa. Muito bem aceitas, as espadas Ulfberht foram também falsificadas, como mostram os estudos. A combinação de dureza e flexibilidade era uma grande vantagem dessas espadas.

Anteriormente, os cientistas notaram apenas a presença de marcas registradas e a correção de sua ortografia. No entanto, só é possível obter informações completas sobre a qualidade das lâminas e a tecnologia de sua fabricação com o auxílio de estudos estruturais especiais, principalmente metalográficos.

“As espadas dos vikings podiam ser feitas de aço de várias qualidades. Algumas delas não resistiriam a nenhum golpe normal: suas lâminas eram feitas de ferro com teor mínimo de carbono. Lâminas de qualidade contêm aço com alto teor de carbono. Há uma lenda disseminada que diz que as espadas de Ulfbert são feitas de aço fundido, com qualidade comparável ao metal moderno. Nossa pesquisa refuta esse mito: soldas, heterogeneidades estruturais e inclusões de escória foram encontradas em todas as espadas”, diz o chefe do laboratório de Materiais Nanoestruturados Híbridos da Nust Misis, Ph.D. Alexandre Komissarov.

Segundo o cientista, os ferreiros medievais da Europa não fabricavam aço sem escória, porque seus fornos não eram potentes o suficiente para removê-los. Hoje em dia, os metais são fundidos a temperaturas acima de 1650ºC. Essa temperatura ajuda a separar a escória e permite que mais carbono seja misturado uniformemente. Mas na Era Viking, o carbono só podia entrar no aço quando o metal processado era carbonizado no fogo, e a única maneira de remover a escória era tentar eliminar as impurezas com um martelo durante repetidas forjas.

“As espadas estudadas foram feitas de acordo com os esquemas clássicos, mas a qualidade dos materiais usados ​​e a execução das soldas são diferentes. As marcas registradas nelas também são diferentes: a inscrição “+VLFBERH+T” na lâmina dos túmulos da região de Ladoga contém um erro – a última letra “T” está virada de cabeça para baixo. Pesquisadores explicam que esses casos ocorrem porque alguns dos ferreiros envolvidos na forja de marcas eram analfabetos. Em uma das espadas, foram encontrados vestígios de reparo – a lâmina quebrada foi encurtada e reforjada e um pedaço adicional de ferro foi soldado em seu cabo”, diz Alexandra Shchedrina, estudante de mestrado do Departamento de Arqueologia da Universidade Estadual de Lomonosov de Moscou, graduada pelo Departamento de Ciência do Metal Nust Misis e Física da Força.

Segundo a estudante, na Europa medieval, um pedaço solto de ferro-esponja amolecido era obtido em uma mistura com escória e partículas de carvão não queimado, que se forma durante a fundição do minério de ferro em condições de baixas temperaturas em comparação à fundição em alto-forno.

“Os materiais disponíveis para a fabricação de armas eram heterogêneos e longe do ideal em qualidade, e os metalúrgicos aprenderam a ligar o aço muito mais tarde. Para obter lâminas de alta qualidade, sólidas e confiáveis, como as espadas Ulfberht, os ferreiros tentaram combinar diferentes materiais em um produto: foi usado aço temperado nas bordas e o núcleo da lâmina foi feito de ferro, que tem a maior resistência ao impacto”, conclui Alexandra Shchedrina. (texto: Franco Tanio/foto: Martin Kraft/reprodução wikimedia)

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo