Metal Mecânica

Entrada de pedidos para a indústria de máquinas-ferramenta da Itália recua em 2023

No segundo trimestre de 2023, o índice de encomendas de máquinas-ferramenta processadas pelo Departamento de Estudos Econômicos e Centro de Cultura Empresarial da Ucimu-Sistemi Per Produrre registrou uma queda de 21,8% em relação ao período de abril a junho de 2022. O valor absoluto do índice situou-se em 80,9 (ano base 2015=100). O resultado deveu-se à redução na entrada de pedidos, registrada pelos fabricantes, tanto no mercado externo quanto no interno

As encomendas recebidas do exterior diminuíram 10,5% em comparação ao mesmo período do ano anterior. O valor absoluto do índice foi de 88,2. Na frente doméstica, as encomendas sofreram queda de 38,3%, apresentando um valor absoluto de 70,2.

No primeiro semestre, as encomendas caíram 23% em comparação ao primeiro semestre de 2022, para um valor absoluto do índice de 103. As encomendas domésticas diminuíram 29,9%, para um valor do índice de 97,5; as encomendas externas registraram uma quebra de 18,2%, apresentando um valor absoluto de 107,1.

“Os dados recentemente tratados pelo nosso Departamento de Estudos Económicos e Centro de Cultura Empresarial confirmam os primeiros sinais de abrandamento, que detectamos nos últimos meses e que já havíamos reportado na Assembleia Geral do início de julho”, afirma Barbara Colombo, presidente da Ucimu-Sistemi Per Produrre. “Com particular referência ao mercado interno, a quebra que vivemos nesta primeira parte de 2023 tem sobretudo uma razão relacionada com as especificidades do setor. Ou seja, a tendência não poderia continuar no mesmo ritmo do biênio pós-pandemia. Dito isto, não podemos ignorar que a queda se deve também às condições incertas em que as empresas operam hoje”, complementa.

A presidente da Ucimu diz que os empreendimentos continuam funcionando bem, empenhados em produzir a última parte dos pedidos arrecadados no ano passado. Por isso, o faturamento no final de 2023 ainda será bom. “Pelo contrário, se não conseguirmos inverter o rumo já depois das férias de verão (no hemisfério Norte), os primeiros meses do próximo ano podem ser diferentes.”

Dado esse cenário, a Ucimu, considerando também o processo de transição digital que a indústria manufatureira italiana está enfrentando, pede às autoridades governamentais do país que atuem o mais rápido possível, a fim de confirmar e fortalecer o Plano de Transição 4.0. “A nosso ver, deve prever estruturalmente um sistema modular de incentivos fiscais que se conjuguem e acumulem e possam recompensar mais quem investir em novas máquinas, sendo que a digitalização permite também a sustentabilidade”, diz Barbara Colombo.

No front externo, de acordo com Colombo, a queda registrada neste trimestre, também considerando a quase total saturação da capacidade produtiva das empresas, não preocupa. A evolução da captação de encomendas no estrangeiro ao longo dos últimos anos foi bastante linear, sem picos e depressões particulares. “O objetivo para o futuro próximo só pode ser trabalhar mais com usuários estrangeiros, também à luz dos desenvolvimentos próximos e amigáveis ​​que estamos testemunhando, após a crise de saúde pública e a eclosão do conflito entre a Rússia e a Ucrânia”, observa. “Por isso, a Ucimu aposta na implementação de novas iniciativas de apoio às atividades de internacionalização das empresas. O último em ordem de desenvolvimento é a criação da Rede de Negócios no Vietnã, lançada há poucos dias, cujo objetivo é facilitar a penetração das empresas em uma das áreas mais interessantes e dinâmicas do mundo”, complementa.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo