Metal Mecânica

G750 da Grob desempenha papel fundamental na produção de peças do maior telescópio do mundo

No topo do Cerro Armazones, no deserto do Atacama, no Chile, uma obra em construção, que lembra o Coliseo romano, chama a atenção. É o Extremely Large Telescope (ELT), do European Southern Observatory (ESO), um telescópio terrestre revolucionário que terá um espelho principal de 39 metros e será o maior telescópio do mundo para luz visível e infravermelha. Será simplesmente o maior olho do mundo para céu, quando entrar em operação prevista para 2028. A construção deste projeto tecnicamente complexo está avançando em bom ritmo, com o ELT ultrapassando a marca de 50% concluída, conforme foi divulgado no dia 11 de julho de 2023.  Engenheiros e trabalhadores da construção estão montando a estrutura da cúpula do telescópio em um ritmo rápido e a estrutura de aço logo adquirirá a familiar forma redonda, típica das cúpulas de telescópios.

Os espelhos do telescópio e outros componentes estão sendo construídos por empresas da Europa, onde os trabalhos também estão avançando bem. O ELT do ESO terá um design óptico pioneiro de cinco espelhos, que inclui um espelho principal gigante (M1) composto por 798 segmentos hexagonais. Mais de 70% dos blanks e suportes para esses segmentos já foram fabricados, enquanto M2 e M3 são fundidos e estão em processo de polimento. O progresso no M4, um espelho adaptável e flexível que ajustará sua forma mil vezes por segundo para corrigir as distorções causadas pela turbulência do ar, é particularmente impressionante: todas as suas seis pétalas finas estão totalmente finalizadas e sendo integradas em sua unidade estrutural. Além disso, todas as seis fontes de laser, outro componente chave do sistema de óptica adaptativa do ELT, foram produzidas e entregues ao ESO para testes.

GROB – Uma empresa bastante conhecida nos mercados brasileiro e internacional, a Grob tem participação importante no projeto. É que a Nova, consórcio internacional que está construindo um dos primeiros instrumentos a serem instalados no telescópio, concluiu que para fabricar os enormes instrumentos astronômicos seria necessária a fabricação de grandes peças de alumínio com extraordinária microescala de precisão. “Os componentes que vínhamos produzindo eram um pouco menores do que os instrumentos que precisávamos fazer para o ELT. Para isso, precisávamos de uma fresadora maior”, explica Niels Tromp, engenheiro de Sistemas da Nova.

É óbvio que não bastava ter uma fresadora apenas maior. Seria necessária uma máquina de extrema precisão e um ambiente controlado. A expansão térmica pode afetar o processo de produção. A máquina escolhida, um centro de usinagem 5 eixos G750 da Grob, está alojada em um ambiente muito estável, com controle de temperatura para permitir usinagem precisa de componentes. Além disso, a G750 foi combinada com uma avançada máquina de medição por coordenadas de última geração e instalada numa sala limpa, de classe ISO 6.

Todo esse cuidado permitiu à Nova medir e montar os componentes de alta precisão produzidos na máquina universal. A fresadora é única e permite à Nova processar internamente controlar todo o processo de projeto e fabricação.

A Nova é uma organização financiada pelo governo. Assim para a aquisição da máquina foi feita uma licitação em âmbito europeu.

“Um dos nossos principais requisitos era produzir componentes com a mesma tolerância de antes, na faixa de 10 a 20 mícrons, e a uma distância de mais de um metro”, enfatiza Niels Tromp.

Depois de reunir informações sobre as opções disponíveis, quatro fabricantes foram pré-selecionados. No final, a escolha recaiu sobre a G750 da Grob. A G750 é um poderoso centro de usinagem conhecido pela alta precisão e eficiência, que oferece a estabilidade e a precisão necessárias para produzir as partes complexas para o instrumento astronômico do ELT (Telescópio Extremamente Grande). Mas não foi somente o hardware da Grob que convenceu a Nova, mas também a flexibilidade para atender os seus desejos e requisitos técnicos.

As instalações da Nova, que incluem a G750, demonstraram ser não apenas adequadas para o campo da astronomia, mas também podem servir à indústria de precisão. Por controlar internamente todo o projeto e processo de fabricação, muitos riscos podem ser minimizados e processos otimizados, resultando em maior eficiência e qualidade das peças fabricadas.

Nesse contexto, a G750 provou ser uma parte importante.  “Posso afirmar com segurança que a G750 da Grob atendeu mais que nossas expectativas e que os produtos que estamos fabricando agora atendem às especificações e às vezes até excedem o esperado do processo de fabricação”, frisa Thomas Wijnen, coordenador de Instrumentação

Coordenador da Nova.

A Nova é uma associação internacionalmente reconhecida dos quatro principais institutos de astronomia de universidades nos  Países Baixos. Nova significa Nederlandse Onderzoekschool voor Astronomie.

O centro de usinagem de 5 eixos G750 é uma máquinas universal que tem percursos de trabalho de 1.000 mm no eixo X, 1.100 mm no eixo Y e 1.175 no eixo Z, possibilitando fabricar componentes extremamente grandes, com enorme precisão. (texto: Franco Tanio/foto: divulgação/ESO).

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo