Artigos e Cases

ISO de inovação: quais os benefícios?

Alexandre Pierro

Se destacar em um mercado competitivo pode ser uma missão árdua. Principalmente, na falta de estratégias inteligentes que alavanquem uma empresa no mercado. Felizmente, cada vez mais, companhias estão encontrando a força que precisam para atingir esta conquista através da ISO de inovação – uma metodologia internacional de gestão, flexível, que compreende os pontos fortes e fracos de um negócio para, a partir desta análise, alavancar uma empresa para conquistar resultados excepcionais que garantam sua perpetuidade.

Reconhecida e aprovada por mais de 400 empresas em todo o mundo, seu grande propósito é auxiliar as organizações a transformarem ideias em resultados, com propostas que gerem valor em segmentos já conhecidos e, também, aqueles ainda não explorados. Ela é considerada como a melhor ferramenta para conduzir as organizações em meio às constantes mudanças do mercado, direcionando-as aos melhores caminhos para atingir seus objetivos.

Em meio a uma demanda latente por inovação, a ISO é quem favorece a criação constante de serviços, produtos e processos cada vez mais assertivos e aderentes às necessidades do público-alvo de cada companhia. Tudo isso, por meio de padrões internacionais a serem adaptados à jornada inovadora, considerando as especificidades de cada setor e as demandas dos negócios.

Apesar dos benefícios claros, muitas empresas ainda temem os investimentos necessários para inovar. Um levantamento feito pela CNI identificou que 89% das empresas custeiam a inovação com recursos próprios, em vista de sua ampla gama de vantagens percebidas. Afinal, muito além de transformar ideias em processos de valor, ter uma cultura voltada à inovação garante uma tomada de decisões muito mais estratégica.

Dentre seus maiores benefícios, os negócios que investem na ISO de inovação possuem o direito de recuperarem boa parte do dinheiro aplicado através da Lei do Bem (Lei 11.196/05), desde que estejam enquadradas em determinados critérios tributários. Mas, apesar de ser aplicável para qualquer empresa que opere em regime de lucro real, pode apenas ser adquirida caso a ação adotada gere algum ganho de qualidade ou produtividade à companhia – assim como é previsto nos princípios da metodologia.

Fora essa restituição, as organizações que utilizam este modelo de governança voltado à inovação também são reconhecidas perante empreendimentos globais, atraindo interesses de parceiros estratégicos e ampliando sua força operacional para mercados além de seu território. As exportações são potencialmente favorecidas, desestruturando barreiras geográficas e aumentando o valor da marca em seu segmento de atuação – em especial neste momento de guerra e pós-pandemia.

Internamente, as ações focadas em estimular esta nova cultura perante os times contribui não somente para incentivar a colaboração ativa dos profissionais compartilharem suas ideias, como também melhora o clima organizacional, fazendo com que cada vez mais colaboradores se engajem em prol da mesma causa e compreendam a importância de sua participação para o crescimento da companhia. Conforme despertam o senso de pertencimento, o turnover é reduzido, atraindo e retendo cada vez mais talentos qualificados que unam esforços a favor do crescimento do negócio.

Diversas empresas ao redor do mundo já adotaram a ISO de inovação, gerando cases de sucesso que estão crescentemente abrindo os olhares de empreendedores nacionais e internacionais perante a importância deste modelo de governança de inovação para a prosperidade dos negócios. Mas, para que tal posição seja conquistada, as marcas precisam contar com o apoio de uma consultoria especializada no segmento, como forma de terem a máxima segurança sobre seu andamento e a certeza de que cada passo está sendo tomado de maneira organizada e efetiva.

O processo de implementação desta metodologia é simples e cabe em empresas de todos os portes e segmentos. Aquelas que ficarem para trás nessa caminhada, irão perder uma grande oportunidade de se tornarem referência em seu mercado.

Alexandre Pierro é sócio-fundador da Palas.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo