Artigos e Cases

Os carros elétricos vão acabar com os combustíveis fósseis?

Apesar de os holofotes estarem voltados para a questão do aquecimento global e para os perigos que envolvem o clima, os combustíveis fósseis ainda estão longe de deixarem de ser utilizados. A declaração emitida no último dia 10 de novembro na COP-26 deixa uma mensagem clara: o mundo está se preparando para uma revolução no setor automobilístico. Porém, a segunda versão do rascunho para relatório final da reunião, atenuou a cobrança pelo fim de subsídios aos combustíveis fósseis, desde que os países que continuarem usando consigam deter parte do dióxido de carbono emitido. Isso significa que dificilmente apenas a chegada dos carros elétricos vai acabar com esse tipo de emissão. Entretanto, significam um grande avanço na redução.

Porém, em contraponto à evolução clara do setor no mundo, o Brasil não deixou uma posição esclarecedora sobre o assunto no evento, nem mesmo assinou o documento. Como um país, que é produtor de matéria-prima para a indústria da eletromobilidade, pode não ver esse passo como uma oportunidade?

É claro, que devemos destacar a decisão independente de nossas cidades, inclusive as mais conhecidas, São Paulo e Rio de Janeiro, de assinarem o documento. Esse passo não é uma fórmula vazia, mas o nosso país ainda precisa avançar na estruturação para o segmento. O sinal claro dessa mudança iminente está na empresa Lucid, que disparou na bolsa nas últimas semanas, superando até mesmo a tradicional Ford ou podemos falar também do sucesso da Rivian, sem falar da famosa Tesla.

O mundo já não é igual ao que vivemos no passado, com cada vez mais tecnologia ao nosso redor e, até mesmo, com o debate sobre o metaverso e a inteligência artificial, onde não podemos nos apegar a veículos que seguem o mesmo modelo desde os períodos fordianos. Precisamos de renovação imediata e nosso país tem o potencial de estar ao lado de grandes estados, como um receptor de todo esse investimento que virá para a eletromobilidade.

Porém, mais uma vez faltam sinais claros, posicionamentos que façam com que nós possamos derrubar a principal barreira que impede o crescimento do segmento no Brasil: a ação dos governos (federal principalmente, mas também o estadual e municipal). Se queremos que o brasileiro passe a ver a eletromobilidade como alternativa viável, precisamos de ações imediatas, não apenas dos estados e das cidades, como vemos na COP-26, mas de nosso país como um todo.

Em estudo recente publicado pela montadora Volvo, vemos que os países que mais se beneficiaram dos carros elétricos são aqueles que têm a matriz energética primordialmente formada pela energia limpa, como é o caso do Brasil. Outro levantamento recente mostra o potencial do nióbio de proporcionar mais capacidade para os veículos elétricos. Porém, sem ações veementemente concisas, esse planejamento pode nunca sair do papel em terras tupiniquins. O que seria, obviamente, um desperdício de potencial de alavancagem econômica e financeira para nossa população.

Além dos danos para o meio ambiente, o Brasil hoje vê o preço dos combustíveis cada vez mais caros para o consumidor final. No Reino Unido, em setembro, uma pesquisa realizada pelo Carwow mostrou a clara relação entre a escassez dos combustíveis fósseis com o aumento da pesquisa sobre carros elétricos, que são claramente mais econômicos. Imagine se iniciativas tivessem sido tomadas para que o preço dos carros elétricos em nosso país não fossem tão exorbitantes? Possivelmente hoje viveríamos outro momento.

O certo é que a COP-26 se encerrou com um posicionamento correto em muitos aspectos, principalmente quando falamos que poderemos diminuir definitivamente o impacto da mobilidade urbana por meio de modelos não danosos à camada de ozônio. Mas, ao mesmo tempo em que a sustentabilidade no mundo tem motivos para comemorar, nós no Brasil ainda precisamos aprender, planejar e trabalhar, para melhorar nossa estrutura e nos preparar para o futuro inevitável.

(*) O autor é sócio-fundador da Elev.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo