Eletrônica e Informática

Produção de semicondutores nos EUA deverá triplicar até 2032

Os EUA aumentarão sua participação na fabricação de lógica avançada (abaixo de 10 nm) para 28% da capacidade global até 2032, acima dos 0% em 2022. Além disso, os EUA deverão captar mais de um quarto (28%) do total de despesas de capital globais (capex) de 2024 a 2032, ficando atrás apenas de Taiwan (31%). Na ausência do Chips and Science Act (Chips), os EUA teriam capturado apenas 9% do investimento global até 2032, de acordo com o relatório “Emerging Resilience in the Semiconductor Supply Chain”, produzido pela Semiconductor Industry Association (SIA), em parceria com o Boston Consulting Group (BCG).

 

O estudo projeta que os EUA triplicarão sua capacidade doméstica de produção de semicondutores a partir de 2022, quando o foi promulgado o Chips, até 2032. O crescimento projetado de 203% é o maior aumento percentual projetado no mundo durante esse período.

 

Embora o relatório conclua que os investimentos da indústria – facilitados pelos incentivos Chips – estão no caminho certo para revigorar a fabricação de semicondutores na América e reforçar as cadeias de fornecimento de chips dos EUA, ele também identifica ações políticas que fortalecerão ainda mais as cadeias de fornecimento, apoiarão a P&D e o design de chips, aumentarão o força de trabalho de semicondutores e garantirão que o Chips ofereça o máximo de benefícios à economia e à segurança nacional do país.

 

O relatório também analisa os esforços em curso noutros países para incentivar a produção e a inovação de chips e a importância de garantir que as empresas de chips tenham acesso aberto a clientes e fornecedores globais, entre outros tópicos.

 

“Políticas eficazes, como o Chips e o Science Act, estão estimulando mais investimentos na indústria de semicondutores dos EUA. Estes investimentos ajudarão os EUA a aumentar a sua participação na produção e inovação global de semicondutores, promovendo o crescimento econômico e a competitividade tecnológica”, diz Rich Templeton, presidente do Conselho da Texas Instruments e presidente do Conselho da SIA. “A colaboração contínua e ampliada entre governo e indústria ajudará a garantir que aproveitemos esse impulso e continuemos nossos próximos passos.”

 

O relatório revelou ainda que o aumento projetado de 203% na capacidade fabril dos EUA, de 2022 a 2032, contrasta fortemente com seu modesto aumento de 11% em relação à década anterior (2012-2022), ficando em último lugar entre todas as principais regiões produtoras de chips.

 

A participação dos EUA na capacidade mundial de produção de chips aumentará de 10% em 2022, para 14% até 2032, marcando a primeira vez em décadas que os EUA aumentam sua pegada doméstica de fabricação de chips em relação ao resto do mundo. Na ausência da promulgação do Chips, a participação dos EUA teria caído ainda mais, para 8% até 2032, de acordo com o relatório.

 

Os EUA continuam a liderar o mundo em segmentos relacionados à produção de semicondutores, como design de chips, automação de design eletrônico (EDA) e equipamento de fabricação de semicondutores.

 

O relatório também conclui que as políticas industriais têm o potencial de criar gargalos adicionais que aumentam o risco na cadeia de suprimento. Certos segmentos da cadeia de suprimento de semicondutores correm risco se os programas de incentivos e as políticas industriais em grande escala conduzirem a investimentos não baseados no mercado, o que pode resultar numa concentração excessiva ou num excesso de oferta. Os incentivos governamentais devem centrar-se em permitir investimentos direcionados, distribuídos e baseados no mercado.

 

Além disso, o estudo destaca as formas como os governos e as empresas estão tomando medidas alinhadas  para aumentar a resiliência. A Lei Chips dos EUA comprometeu US$ 39 bilhões em incentivos para a fabricação de semicondutores, além de um crédito fiscal separado para investimento em manufatura avançada. A União Europeia revelou a Lei Europeia Chips, a China iniciou a terceira fase do seu Fundo de Investimento da Indústria de Circuitos Integrados (IC) e vários outros programas de incentivo surgiram em Taiwan, Coreia, Japão, Índia e em todo o mundo. Paralelamente, as empresas fizeram investimentos significativos, tanto em regiões estabelecidas como em novas regiões. O relatório projeta cerca de US$ 2,3 bilhões em investimentos em 2024-2032, em comparação com US$ 720 bilhões  na década anterior à promulgação da Lei Chips (2013-2022).

 

Os incentivos à produção da Lei Chips geraram investimentos anunciados substanciais nos EUA. As empresas do ecossistema de semicondutores anunciaram mais de 80 novos projetos em 25 estados dos EUA, totalizando quase US$ 450 bilhões em investimentos privados, desde que a Lei Chips foi introduzida. Esses projetos anunciados criarão mais de 56.000 empregos no ecossistema de semicondutores e apoiarão centenas de milhares de empregos adicionais nos EUA em toda a economia dos EUA.

 

“O Chips e o Science Act colocaram os EUA no caminho para fortalecer significativamente a produção doméstica de semicondutores e P&D, mas é necessário mais trabalho para concluir o trabalho”, diz John Neuffer, presidente e CEO da SIA. “Esperamos trabalhar com líderes governamentais para promover políticas que ampliem o fluxo de talentos STEM, invistam em pesquisa científica, promovam o livre comércio e o acesso aos mercados globais e expandam e ampliem os incentivos críticos do Chips”, complementa.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo