Serviços

Reciclagem de e-lixo pode decolar no continente africano

Com a rápida mudança tecnológica e a queda nos preços, milhões de toneladas de dispositivos eletrônicos tornam-se obsoletos todos os anos, fazendo com que o lixo eletrônico (e-lixo) se torne um dos principais desafios ambientais do século 21, segundo o United Nations Environment Programme (UN Environment), principal autoridade global para assuntos relacionados ao meio ambiente.

O e-lixo é definido como resíduos de telefones celulares, computadores, estéreos pessoais, lâmpadas fluorescentes e incandescentes, assim como eletrodomésticos de grande porte, como aparelhos de TV, refrigeradores, máquinas de lavar roupas, aparelhos de ar condicionado e outros.

Falando no Earth Innovation Forum, no dia 5 de setembro, em Tallinn, na Estônia, Paolo Falcioni, diretor geral da Indústria de Eletrodomésticos da Europa, disse que 5 milhões de toneladas de equipamentos eletrônicos são gerados na Europa como e-lixo. Desse total, 4 milhões de toneladas são reciclados, sendo que 3,5 milhões de toneladas se tornam matéria-prima secundária. O restante do e-lixo não é rastreado.

É provável que esse e-lixo não rastreado acabe na África. Um artigo publicado pela Environmental Health Perspectives mostra que todos os meses 100 mil computadores pessoais chegam somente no porto nigeriano de Lagos. Gana também enfrenta desafios para gerenciar o e-lixo importado. O e-lixo geralmente acaba em aterros. O maior deles fica em Agbogbloshie, um distrito comercial nas imediações de Acra.

O gerenciamento do e-lixo está se tornando um grande desafio em vários países africanos pela baixa conscientização, legislação ambiental e recursos financeiros limitados. Lixões a céu aberto, queima e aterros sanitários são os métodos de descarte mais utilizados na África. Isso traz potencialmente sérias implicações para a saúde humana e para o meio ambiente.

Metais pesados e outras substâncias perigosas encontradas nos eletrônicos contaminam a água do subsolo e colocam em risco o meio ambiente e a saúde pública. Computadores contêm metais pesados como chumbo, cádmio e mercúrio, bromados retardantes de chama, cloreto de polivinila (PVC) e, às vezes, policlorobifenilos (PCBs).

Os aparelhos eletrônicos modernos podem conter até 60 diferentes elementos químicos, incluindo metais básicos como cobre e estanho, metais especiais cobalto, índio e antimônio, e metais preciosos como prata, ouro e paládio.

Embora alguns elementos químicos presentes nos componentes eletrônicos possam ser perigosos, muitos têm valor econômico. Metais preciosos como o ouro podem ser extraídos de telefones celulares, já que cada um deles contém um elemento desse metal precioso. Há um potencial inexplorado na reciclagem de elementos encontrados nos celulares, com a maior parte dos projetos sendo baseados em países desenvolvidos.

Além dos metais, os celulares também têm materiais de valor, como plásticos, vidro e cerâmicas. Com a criação de uma economia circular, estes materiais descartados poderiam ser transformados em matérias-primas secundárias, que podem ser usadas por diferentes companhias. Este tipo de reciclagem abre grandes oportunidade para a inovação, aumento da produtividade e crescimento econômico.

Soluções novas e inovadoras serão necessárias para integrar o setor de e-lixo informal de todo o continente em uma saudável e sustentável estratégia de gerenciamento de e-lixo. A reciclagem poderia ter um impacto positivo nas reservas de metal, protegendo o meio ambiente da mineração não sustentável.

O governo de Gana tem dados passos significativos em direção ao gerenciamento apropriado de e-lixo. Uma instalação integrada de reciclagem de e-lixo, em Agbogbloshie, é prevista para ser inaugurada em outubro. Um dos componentes do projeto é o estabelecimento de uma rede de centros de coleta para proporcionar o contínuo suprimento de matérias-primas para sustentar as operações da instalação. A expectativa é que esse ambicioso projeto crie mais de 22 mil empregos autossustentáveis para os jovens ganeses.

As associações comerciais chave serão subsidiadas para apoiar pesquisas na academia e instituições de pesquisas. Os fundos serão usados para coleta, transporte e descarte do lixo elétrico e promoção da educação do público sobre o descarte seguro de lixo elétrico e eletrônico, e também sobre os efeitos negativos do lixo eletrônico.

O projeto de Gana mostra o potencial para investimento na África no gerenciamento de lixo. Investimentos em tecnologia e educação são essenciais para construir capacidade na África para efetivamente gerenciar o e-lixo e desenvolver soluções inovadoras em gerenciamento de e-lixo. A capacitação também dará suporte para reforçar a legislação para que o e-lixo seja descartado de forma apropriada e que a reciclagem seja feita de modo a proteger o meio ambiente.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo