Metal Mecânica

Consórcio liderado pela Trumpf investiga formas de reduzir emissões de carbono no processamento de chapas metálicas

Projeto de consórcio denominado de:karb, liderado pela Trumpf, que inclui a thyssenkrupp Materials Services e o Fraunhofer Institute for Manufacturing Engineering and Automation IPA, investiga maneiras de reduzir as emissões de carbono no processamento de chapas metálicas. O objetivo é criar uma plataforma online de acesso livre, de forma que as empresas possam usar para determinar com precisão a pegada de carbono de qualquer componente.

 

“A digitalização é a chave para mitigar o impacto climático da indústria”, diz Jens Ottnad, líder do projeto da Trumpf. “Como fornecedor líder e usuário de sistemas de produção em rede digital, temos tudo o que é necessário, juntamente com nossos parceiros de projeto, para tornar o mundo do processamento de chapas metálicas mais sustentável.” O projeto foi lançado em junho e terá duração de três anos. O Ministério Federal de Assuntos Econômicos e Ação Climática da Alemanha (BMWK) está fornecendo financiamento de 8,3 milhões de euros.

 

A plataforma online permitirá que as empresas identifiquem quais medidas, implementadas em qual etapa da produção, resultarão na maior redução de emissões de carbono. Para isso, a Trumpf e a thyssenkrupp Materials Services conectarão seus próprios sistemas de TI à plataforma.

 

“Para reduzir as emissões, as empresas devem primeiro saber o tamanho de sua própria pegada de carbono”, explica Sebastian Smerat, líder de projeto da thyssenkrupp Materials Services. “A nova plataforma online vai dar a eles a transparência necessária para isso. Por sua vez, isso simplificará o cumprimento dos regulamentos e lançará as bases para uma economia circular”.

 

Usando dados da máquina e da produção, os parceiros do projeto poderão determinar o impacto das medidas destinadas a aumentar a sustentabilidade. Isso inclui a redução concreta nas emissões de carbono que as empresas podem alcançar quando produzem um número maior de componentes a partir de uma quantidade específica de metal ou evitam remessas desnecessárias de materiais.

 

“Uma característica específica do projeto de:karb é que ele visa reduzir as emissões de carbono fazendo otimizações ao longo de toda a cadeia de valor”, diz Marco Huber, líder de projeto da Fraunhofer IPA. “Para isso, a inteligência artificial (IA) e o aprendizado de máquina terão um papel central.”

 

SUPORTE DE IA – De acordo com o relatório da BMWK, o Ministério Federal de Assuntos Econômicos e Ação Climática da Alemanha, a produção de aço e chapas metálicas é responsável por cerca de um quarto de todas as emissões industriais na Alemanha. Em particular, a produção da matéria-prima consome uma grande quantidade de energia. Uma prioridade do projeto será, portanto, melhorar a utilização de materiais na produção. Para isso, a Trumpf está trabalhando em novas tecnologias de agrupamento que usam IA para aumentar o número de peças que podem ser cortadas de cada chapa de metal. Ao mesmo tempo, o projeto terá como foco a otimização da programação da produção.

 

A Fraunhofer IPA analisa como a IA pode ser usada para levar em consideração os aspectos ecológicos durante o processo de produção. Isso pode envolver o agendamento de etapas com uso intensivo de energia, como processamento a laser, para horários em que o máximo de eletricidade proveniente de recursos renováveis ​​esteja disponível.

 

Além disso, tais estratégias de produção destinam-se a dar às empresas a liberdade de processar pedidos com flexibilidade. A tarefa da thyssenkrupp Materials Services é coordenar os fluxos de materiais, fluxos de valor e fluxos de dados por meio de uma plataforma digital que ainda será desenvolvida. Isso fornecerá rastreabilidade total dos materiais de entrada e suas características. O uso de padrões uniformes garantirá a conectividade necessária.

 

PEGADA DE CARBONO – A pegada ecológica da manufatura está se tornando um fator competitivo cada vez mais importante. Assim, o projeto responde também à evolução das necessidades dos clientes e das empresas. “Nos mercados ocidentais, especialmente, os clientes estão prestando cada vez mais atenção às emissões de carbono produzidas pelas empresas”, explica Ottnad. “Aqueles que puderem mostrar que possuem cadeias de valor particularmente amigáveis ​​ao clima garantirão uma vantagem competitiva.”

 

O projeto também inclui os seguintes parceiros: consultorias de gerenciamento AEC e SES-Ingenieure, Baden-Wuerttemberg Cooperative State University (DHBW), startup de IA Nash e a processadora de chapas metálicas H.P. Kaysser.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo