Metal Mecânica

Contratação de trabalhadores com mais de 50 anos cresce no Brasil

O número de trabalhadores com mais de 50 anos no Brasil mais do que dobrou em 15 anos, indo de 4,4 milhões em 2006 para 9,3 milhões em 2021 – aumento de 110,6%. O estoque de emprego formal geral, nesse mesmo período, cresceu 38,6%. Isso significa que o ritmo de crescimento dos 50+ é quase três vezes maior que o geral.

 

Em 2006, os profissionais 50+ ocupavam 12,6% do total de vagas; e, em 2021, eles já eram 19,1%. Portanto, a participação desse grupo no estoque de emprego formal cresceu 51,6% nessa década e meia.

 

O levantamento realizado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais) revela que o mercado de trabalho está seguindo uma tendência, irreversível, de envelhecimento da população.

 

“Essa é uma espécie de ‘mapa dos trabalhadores 50+ no Brasil’, importante para entendermos o impacto da transição demográfica no mercado de trabalho, o que vem ocorrendo de maneira acelerada. Outro dado que chama atenção é o maior aumento nas vagas para os níveis de maior escolaridade, o que comprova que quem parar de estudar vai ficar para trás”, alerta o diretor-geral do Senai, Rafael Lucchesi.

 

Ainda segundo Lucchesi, esse é um cenário que precisa ser considerado na elaboração e implementação de políticas educacionais e de emprego. “Requalificação é palavra-chave. Nos diferentes países, surgem iniciativas do governo, das empresas e de instituições de ensino, envolvendo estratégias para atualizar os profissionais ou mesmo recolocá-los no mercado.”

 

Apesar do crescimento do número de mulheres com mais de 50 anos ter sido maior que o dos homens, elas ainda são menos da metade dos trabalhadores (42,4%) dessa faixa etária.

 

Trabalhadores 50+ com maior nível de escolaridade têm mais espaço no mercado de trabalho. Dos postos ocupados por esse grupo, 38% são por pessoas com ensino médio completo e 24,6% com superior completo. O número de trabalhadores 50+ com mestrado e doutorado praticamente quintuplicou, indo de 26,4 mil profissionais para cerca de 150 mil.

 

Comércio (164%), Serviços (136%) e Indústria (96%) foram os setores que mais aumentaram, proporcionalmente, a contratação de pessoas com mais de 50 anos entre 2006 e 2020. Na indústria, porém, estão as maiores médias salariais. A indústria de transformação, em específico, duplicou a quantidade de trabalhadores 50+, indo de 506 mil para 1 milhão. Somando-se com a extrativa mineral, serviços industriais de utilidade pública e construção civil, a indústria chegou a 1,5 milhão de trabalhadores nessa faixa etária em 2020.

 

Avaliando o setor industrial em específico e as ocupações com maior número de trabalhadores 50+, destacam-se os Supervisores da construção civil no nível técnico e os Gerentes administrativos, financeiros, de riscos e afins no nível superior. Entre as 10 ocupações com maior estoque de emprego 50+, as maiores médias salariais são para Técnicos em eletricidade e eletrotécnica, com R$ 7.722,57, em nível técnico; e Diretores administrativos e financeiros, com R$ 24.168,12 no nível superior.

 

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo