Metal Mecânica

Indústria de máquinas e equipamentos retoma crescimento em maio

A indústria brasileira de máquinas e equipamentos voltou a crescer no mês de maio, depois de sofrer queda de 11,4% em abril relação a março e recuo de 11,6% em comparação a abril de 2021. A receita líquida total obtida pelo setor em maio somou R$ 28.084,72 milhões, com crescimento de 18,6% em relação a abril e 3,6% na comparação com maio de 2021, de acordo com dados divulgados pela Abimaq, no dia 29 de junho em coletiva de imprensa virtual. No acumulado até maio, o faturamento total de R$ 122.049,00 milhões é 4,1% menor que o obtido no mesmo período de 2021 – em abril de 2022, a queda na mesma comparação era de 6,1%.

O crescimento do mês de maio já havia sido antecipado pela Abimaq dado o bom movimento das feiras de negócios Agrishow, realizada no final de abril, Feimec no início de maio.

Com o resultado de maio, a Abimaq revisou para cima a projeção de desempenho no mercado doméstico que passou de crescimento de 3% para 5,8%, segundo relatório da Abimaq distribuído à imprensa. A projeção para as exportações, por enquanto, não foram revisadas e estão mantidas em aumento de 15%, apesar da desaceleração do mercado global.

A receita obtida no mercado doméstico em maio de 2022 totalizou R$ 22.697,87 milhões, 17,4% acima do mês anterior e 3,2% maior que em maio de 2021. No acumulado até maio, o faturamento de R$ 98.184,67 milhões é 5,2% menor que no mesmo período do ano anterior.

O consumo aparente do mês de maio, no valor de R$ 33.711,10 milhões é 17,3% maior que no mês anterior e 3,2% menor que no mesmo mês de 2021. No acumulado de janeiro a maio, o consumo aparente somou R$ 153.890,13 milhões, com queda de 7,4% em comparação ao mesmo período de 2021.

VENDAS EXTERNAS – As exportações setoriais de maio no valor de US$ 1.087,14 milhões são 21% superiores à do mês anterior e 33,4% maiores que a de maio de 2021. No acumulado do ano, as exportações somam US$ 4.588,51 milhões e são 31,7% maiores que a do mesmo período de 2021. “No mês de maio de 2022, somente um segmento registrou queda nas suas exportações, em relação ao valor observado em abril de

2022, “Máquinas para bens de consumo” (-7,3%). Todos os demais registraram crescimento. Os principais avanços ocorreram nos setores de máquinas para a infraestrutura e indústria de base (41,3%) e máquinas para petróleo e energia renovável (15,7%). No ano o crescimento foi novamente generalizado. As maiores taxas de crescimento foram observadas no setor de máquinas para petróleo e energia renovável e no setor de máquinas agrícolas”, diz o relatório da Abimaq.

No acumulado do ano, houve aumento das exportações para a maioria dos países, com destaque para os países da América Latina, cuja variação chegou a 38% em comparação ao período do ano anterior. Houve aumento ainda nas exportações para os Estados Unidos (+26,2%) e para os países europeus (25,8%).

“Os dados indicam que os países com maior proximidade regional intensificaram o relacionamento comercial neste inicio de ano. Em 2022 (janeiro a maio) a participação média histórica de países da América Latina no total das exportações, ao redor de 35%, saltou para 44%”, observa o relatório.

IMPORTAÇÕES – As importações em maio foram de US$ 2.063,16 milhões, refletindo crescimento 15,1% em relação a abril e 7,9% em relação ao mesmo mês do ano passado. É interessante notar que na passagem de março para abril, as importações haviam recuado 16%.  No acumulado do ano, as importações somaram US$ 9.794,21, com crescimento de 13,4% em comparação ao mesmo período de 2021.

“A média de importações de máquinas e equipamentos superou a marca dos US$ 2 bilhões em maio, acima dos US$ 1,9 bilhão de 2021. Estes números são mais um indicativo de recuperação dos investimentos em máquinas no mercado doméstico em 2022”, analisa a Abimaq.

NUCI – No mês de maio, o nível de ocupação da capacidade instalada (Nuci) voltou a apresentar crescimento. O número ficou 0,6% acima do registrado em abril (76,8%), atingindo ocupação de 77,4% das instalações. Porém, o nível médio observado foi de 78,1%, 1,2% abaixo do nível do mesmo período de 2021 (janeiro a maio).

A carteira de pedido, medida em número de semanas para atendimento, apresentou leve queda em relação ao mês abril de 2022 (-1,9%), e também  na comparação com maio 2021 (-6%). No ano, a carteira de pedidos encolheu 1,1%, mas se manteve ao nível de quase 12 semanas, ou 3 meses, de atividades, mesma carteira de 2021.

O mês de maio apresentou estabilidade na geração de emprego, com leve que de -0,2%, depois apresentar crescimento de 1% no mês de abril. O patamar observado em maio é o segundo maior na história recente do setor de máquinas e equipamentos, com mais de 392 mil pessoas empregadas.  (Franco Tanio)

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo