Metal Mecânica

Indústria máquinas e equipamentos da Itália sofre forte queda na entrada de pedidos

No quarto trimestre de 2023, o índice de encomendas de máquinas-ferramenta compilado pelo Departamento de Estudos Econômicos e Centro de Cultura Empresarial da Ucimu-Sistemi Per Produrre, que representa o setor de máquinas-ferramentas e de automação na Itália, apresentou uma queda de 31,1% em relação ao período outubro-dezembro de 2022. O valor absoluto do índice situou-se em 92,1 (ano base 2015=100).

 

O desempenho negativo deveu-se à menor entrada de pedidos no mercado interno, enquanto as vendas externas mostraram resiliência.

As encomendas do exterior diminuíram 2,9% face ao mesmo período do ano anterior. O valor absoluto do índice foi 100,9.

 

Já no mercado doméstico italiano, as encomendas registraram uma quebra de 69,1%, em relação ao quarto trimestre de 2022, para um valor absoluto de 79,4.

 

Na base anual, o índice marcou uma queda de 24,7% em relação à média de 2022 (índice absoluto 90,5). Índice doméstico -48,4% (índice absoluto 74,6); índice estrangeiro -11,3% (índice absoluto 102,8).

 

“Os dados tratados pelo Departamento de Estudos Econômicos e Centro de Cultura Empresarial da Ucimu confirmam as nossas expectativas: 2023 marcou uma evidente redução nas encomendas recebidas pelos fabricantes italianos no mercado interno, que é contrabalançado por uma estabilidade geral nos mercados externos. No geral, apesar do sinal negativo, as nossas empresas estão trabalhando intensamente, graças à fila de encomendas que ainda têm de ser processadas”, destaca Bárbara Colombo, presidente da Ucimu-Sistemi Per Produrre.

 

“No que diz respeito especificamente ao mercado interno, a queda na entrada de novas encomendas não é inesperada e corresponde a uma retração generalizada da procura após o boom vivido no último período. Por outro lado, se focarmos no último trimestre, a queda é também e principalmente afetada pelo efeito de espera pelas novas medidas de incentivo que eram esperadas e ainda são esperadas para 2024”, analisa  Bárbara Colombo. “A discussão aberta pelo governo e pelo parlamento ao longo dos últimos meses do ano passado, relativamente à possibilidade de introdução de novos incentivos 5.0, levou certamente as empresas a suspenderem as suas decisões de compra enquanto aguardam clareza”, complementa.

 

“Na frente externa – afirmou Bárbara Colombo – a entrada de encomendas manteve-se substancialmente estacionária, confirmando assim a tendência de longo prazo que mostra um desempenho mais regular no que diz respeito às encomendas obtidas pelos fabricantes no estrangeiro, comparativamente às obtidas no mercado interno, onde os incentivos disponíveis ao longo dos anos provocaram fortes flutuações na procura”.

 

“Em particular, os fabricantes italianos sempre tiveram como parceiro extraordinário os Estados Unidos, que atualmente é o primeiro destino das exportações. O dinamismo da procura norte-americana, que esperamos que se mantenha nos próximos meses, compensou substancialmente a fraqueza da procura asiática e europeia”, diz Bárbara Colombo.

 

A executiva diz ainda: “Agora, esperamos que a Europa e especialmente a Alemanha voltem a trabalhar como no passado ou até mais, considerando que o fenômeno de re-shoring pode beneficiar os fabricantes italianos que já estão presentes nas cadeias de valor alemãs. Hoje, este desejo torna-se ainda mais forte, se considerarmos a grande incerteza que pesa sobre o mercado internacional, onde inúmeras crises geopolíticas abertas tornam a atividade econômica cada vez mais complicada.”

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo