Eletrônica e Informática

Nova Fábrica de Cultura 4.0 oferecerá cursos de programação de drones, robótica, games e programação

São Bernardo do Campo, município do Grande ABC, ganhou a primeira Fábrica de Cultura 4.0 do estado. A unidade, inaugurada no dia 30 de setembro, recebeu investimento de R$ 8 milhões da Secretaria de Cultura e Economia Criativa e R$ 4,5 milhões da Prefeitura de São Bernardo. A unidade contará ainda com custeio anual do estado no valor de R$ 9,6 milhões.

 

Com previsão de início das aulas para 7 de outubro, inicialmente na modalidade online em razão da pandemia, a Fábrica 4.0 vai oferecer 32 cursos com 640 vagas. O objetivo do projeto, gerido pela organização social Catavento Cultural e Educacional, é desenvolver atividades ligadas às artes presenciais e digitais, formação e fruição da criatividade, inovação e tecnologia.

 

Os cursos de formação da Fábrica 4.0 vão capacitar jovens de 10 a 24 anos em situação de vulnerabilidade social de São Bernardo do Campo e do Grande ABC. “É um projeto inovador e transformador, que vai oferecer a milhares de jovens uma formação de alto nível para trabalhar num dos setores que mais crescem e mais geram renda e emprego no mundo, que é a economia criativa”, afirma o Secretário de Cultura e Economia Criativa, Sérgio Sá Leitão. “Além disso, a nova Fábrica será um espaço de acolhimento, de colaboração e de lazer.”

 

DIFUSÃO TECNOLÓGICA – Entre os cursos oferecidos na unidade, estão: programação de drones, robótica, cultura maker, games e programação. Também serão oferecidas modalidades voltadas às artes, como teatro, balé, dança contemporânea, street dance, violino e viola, violão, violoncelo, circo.

 

Juntamente com o início das aulas, será aberto à população o acesso ao andar térreo, ao mezanino e a uma parte do primeiro e segundo pavimento da Fábrica. Também ocorrerão projeções mapeadas na fachada externa do prédio.

 

A Fábrica 4.0 vai disponibilizar 10 tablets para leitura no local e mais 200 logins “volantes” para acessos por meio de celulares, tablets e computadores na biblioteca ou na casa dos frequentadores. Além desta novidade, a Bibliotech manterá um acervo físico com títulos voltados às tecnologias 4.0, inovação, empreendedorismo e literatura.

 

Em uma segunda etapa de funcionamento, programada para julho de 2021, serão entregues o primeiro e o segundo pavimentos completos da Fábrica, incluindo o auditório. O número de cursos será então ampliado para 52 e as vagas para 1.075, com 20 mil pessoas atendidas por semestre.

 

A Fábrica estará operando com 100% de sua capacidade na terceira etapa, no início de 2022, quando oferecerá 308 cursos e 4.185 vagas. Serão atendidas 480 mil pessoas por ano, sendo 40 mil por mês.

 

ESTRUTURA – Com estrutura projetada em concreto aparente, a unidade ocupa um terreno de 11.300 metros quadros. O conjunto arquitetônico foi idealizado pelos arquitetos Marcelo Ferraz e Francisco Fanucci e está dividido em quatro áreas: térreo, mezanino e dois pavimentos.

 

O térreo abriga a recepção, a Praça Digital, a Bibliotech, os espaços Maker e Robótica, o Display Vertical, o Pátio Cultural, o Palco Móvel e a Fachada Tela. No mezanino, estão os Espaços Games e Programação e o Coworking.

 

Os Espaços Dança, Teatro e Música e a Administração estão localizados no 1° e no 2º pavimento, onde ficarão também o Foyer Galeria, o Auditório, os Camarins e os Espaços Artes, Dança, Circo, Figurinos, Têxtil e Moda, Multiuso, VR/AR e Audiovisual, Produção Musical e Estúdios de Áudio e Vídeo. Essas áreas serão entregues na segunda fase do projeto, prevista para julho de 2021.

 

O governo prevê implantar o mesmo padrão nas futuras fábricas e nas demais unidades já em funcionamento em: Diadema, Cidade Tiradentes, Sapopemba, Itaim Paulista, Parque Belém, Vila Curuçá (zona leste); Brasilândia, Vila Nova Cachoerinha e Jaçanã (zona norte); Capão Redondo e Jardim São Luís (zona sul).

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo