Eletrônica e Informática

Produção da indústria eletroeletrônica recua em junho e no acumulado do primeiro semestre

A produção da indústria elétrica e eletrônica caiu 1,1% no mês de junho de 2023 em relação ao mês imediatamente anterior, com ajuste sazonal, de acordo com dados do IBGE agregados pela Abinee. A produção setorial vem recuando desde meados do ano passado. Desde junho de 2022, a produção só apontou crescimento em três meses (dezembro de 2022, março e maio de 2023).

A queda verificada em junho de 2023 foi influenciada pela retração de 2,8% na produção de bens da área eletrônica, uma vez que a área elétrica cresceu 0,4%.

Na comparação com junho do ano passado, a produção do setor recuou 12,8%, com redução de 13% na área elétrica e queda de 12,6% na área eletrônica.

O principal destaque na área elétrica foi a retração de 31,9% na produção de geradores, transformadores e motores elétricos.

Houve também queda na produção de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação (-7,8%), equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica (-5,4%) e outros equipamentos elétricos (-13,3%), onde estão classificados os aparelhos elétricos de alarme para proteção contra roubo ou incêndio, campainhas, sirenes, controle remoto para aparelhos eletroeletrônicos, entre outros.

Por outro lado, foram observados acréscimos de 32% na produção de pilhas e baterias e de 0,2% nos eletrodomésticos.

Na área eletrônica, destacou-se a forte queda de 48,6% na produção de componentes eletrônicos. Este resultado foi influenciado, principalmente, pela retração da demanda de outros setores que utilizam componentes eletrônicos na sua atividade produtiva.

Também foi significativa a redução de 26,2% na produção de equipamentos de comunicação. Ainda referente à área eletrônica, foram observados acréscimos na produção de aparelhos de áudio e vídeo (+17,3%), instrumentos de medida (+7,7%) e equipamentos de informática e periféricos (+1,0%).

ACUMULADO ATÉ JUNHO – No 1º semestre de 2023, a produção industrial do setor eletroeletrônico caiu 10,8% em relação a igual período do ano passado.

Nota-se que o empresário do setor permanece muito cauteloso desde o final do ano passado. Essas inseguranças vêm limitando os investimentos, paralisando os negócios desde o início deste ano, o desempenho do setor eletroeletrônico ainda não esboçou reação. a queda de 14% registrada no 2º trimestre deste ano foi mais expressiva do que a retração de 7,5% apontada no 1º trimestre de 2023, sempre comparados aos iguais períodos do ano passado.

Nota-se, também, que o recuo de 10,8% na produção industrial do setor eletroeletrônico no 1º semestre deste ano resultou da diminuição de 11,6% na área elétrica e da retração de 9,9% na área eletrônica.

Na área elétrica, as principais quedas foram na produção de geradores, transformadores e motores (-29,6%), de equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica (-7,1%), de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação (-6,3%) e de outros equipamentos elétricos (-18,0%). Por outro lado, ainda na área elétrica, foram observados acréscimos na produção de pilhas e baterias (+16,5%) e de eletrodomésticos (+8,3%).

Na área eletrônica, o principal destaque foi a forte retração de 43,8% na produção de componentes eletrônicos. Em seguida, foram observadas quedas na produção de equipamentos de comunicação (-19,9%) e bens de informática e periféricos (-4,5%).

Também foram verificados, na área eletrônica, aumentos na produção de aparelhos para áudio e vídeo (+17,7%) e de instrumentos de medida (+9,6%), porém estes acréscimos não foram suficientes para compensar a queda dos demais itens desta área.

A produção da indústria geral cresceu 0,1% no mês de junho em relação ao mês imediatamente anterior, com ajuste sazonal. Na comparação com junho de 2022, a produção da indústria geral aumentou 0,3%, porém acumula queda de 0,3% no 1º semestre de 2023.

Destaca-se que a retração de 10,8% na produção industrial do setor eletroeletrônico no acumulado dos primeiros seis meses deste ano foi muito mais expressiva do que a leve queda de 0,3% da indústria geral e do recuo de 1,3% da indústria de transformação.

A paralisação nos investimentos vem influenciando o fraco resultado da indústria eletroeletrônica. Vale observar a retração de 9,7% na produção de bens de capital.

PRODUÇÃO FÍSICA – Ainda avaliando por categorias econômicas, destacou-se o desempenho do segmento de bens de consumo duráveis que cresceu 5,7% no 1º semestre de 2023 em relação ao mesmo período de 2022. Esse comportamento mais favorável não vem sendo acompanhado por alguns bens de consumo duráveis do setor eletroeletrônico, tais como os bens de informática e equipamentos de comunicação, que permanecem em queda.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo