Metal Mecânica

Produção, vendas e consumo aparente de produtos siderúrgicos vão recuar em 2023, prevê Aço Brasil

A piora dos resultados da indústria do aço no segundo trimestre de 2023 em relação aos três meses anteriores, aliada às incertezas sobre a retomada do crescimento no curto prazo, levou o Instituto Aço Brasil a revisar para baixo suas previsões de produção, vendas internas e consumo aparente do setor para 2023.

De acordo com as novas projeções, a produção de aço bruto neste ano deverá fechar em 32,388 milhões de toneladas, queda de 5% em relação a 2022. As vendas internas devem atingir 19,116 milhões de toneladas, com redução de 6% ante o ano passado. Já o consumo aparente (vendas internas mais importações por Distribuidores e Consumidores) deve chegar a 22,912 milhões de toneladas, recuo de 2,6% na mesma comparação. As exportações devem cair 0,3%, para 11,903 milhões de toneladas, e importações devem crescer 25,6%, para 4,209 milhões de toneladas.

Em abril, o Aço Brasil havia divulgado, para 2023, a previsão de alta de 2% na produção de aço bruto; queda de 0,7% nas vendas internas; alta de 7,6% nas exportações e de 2,5% nas importações; e queda de 1% no consumo aparente. A recente projeção de piora se justifica pela dificuldade na retomada de crescimento dos principais setores consumidores do aço – automobilístico, bens de capital e construção civil, que respondem por 82,5% da demanda.

Nos primeiros seis meses do ano, frente a igual período de 2022, a produção de aço bruto caiu 8,9%, para 15,972 milhões de toneladas; as vendas internas encolheram 5,7%, para 9,626 milhões de toneladas; as exportações recuaram 4,2%, para 6,315 milhões de toneladas, e as importações cresceram 43,2%, tendo atingido 2,208 milhões de toneladas. Ainda na mesma comparação, o consumo aparente recuou 1,6%, para 11,557 milhões de toneladas.

O Aço Brasil também prevê queda no consumo per capita de produtos siderúrgicos no Brasil este ano, de 108,6 quilos para 105,9 quilos por habitante. O país tem um dos piores desempenhos entre países emergentes desde 1980, quando registrava consumo per capita de 100,6 quilos. Entre 1980 e 2022, a média mundial cresceu 74%, para 223,5 quilos. No período, na China, o indicador cresceu 1.918%, para 645,8 quilos; na índia, 539%, para 81,1 quilos; no Chile, 118%, para 114,4 quilos; e, no México, 69%, para 194,8 quilos.

“As preocupações no cenário que, em abril, impediram o Aço Brasil de ter uma perspectiva otimista para o ano acentuaram-se nos últimos três meses. A necessidade de avanços na agenda de competitividade do país se torna cada vez mais urgente, de forma a trazer a indústria do aço para um ciclo de crescimento sustentado. Vale lembrar que o desempenho do aço é indicador antecedente do PIB (Produto Interno Bruto)”, diz Marco Polo de Mello Lopes, presidente executivo do Instituto Aço brasil.

“Em que pese o desempenho da indústria do aço, o setor mantém firme a previsão de investimentos, da ordem de US$ 2,5 bilhões de dólares por ano. Além disso, a indústria do aço segue trabalhando na sua agenda de prioridades, com foco na retomada do crescimento econômico, da recuperação da competitividade sistêmica da indústria e na transição energética e descarbonização”, diz Jefferson De Paula, presidente do conselho diretor do Instituto Aço Brasil, presidente da ArcelorMittal Brasil e CEO da ArcelorMittal Aços Longos e Mineração Latam.

Para 2024, o Aço Brasil manteve a previsão de crescimento de 3% ante o desempenho de 2023.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo